“O terrorismo é um método de comunicação brutal para disseminar medo”, diz geógrafo francês

·1 min de leitura

A tomada de Cabul pelo Talibã, em 15 de agosto de 2021, foi um grande evento geopolítico acompanhado no mundo todo. Porém, as consequências a curto e médio prazo ainda são imprevisíveis, como explica à RFI o geógrafo Hervé Théry, autor de uma pesquisa que incluiu a confecção de mapas do terrorismo.

O professor do Centro Nacional de Pesquisa Científica da França e da USP explica os impactos da derrota imposta aos Estados Unidos no Afeganistão, após vinte anos de guerra contra o jihadismo.

Para a coalizão internacional, especialmente para os Estados Unidos, é uma grande derrota terem sido expulsos depois de gastarem bilhões de dólares no Afeganistão. Mas numa perspectiva histórica, eles não são os primeiros. Há séculos, os afegãos têm conseguido se livrar de todos que tentaram ocupar o país, como os britânicos e os russos”, explica Hervé Théry.

Insurreição ou resistência

Em parceria com Daniel Dory, o pesquisador reuniu em forma de desenho dados geoestratégicos e científicos do conflito, ou seja, mapas que permitissem tirar lições das condições que tornaram este resultado possível para o Talibã. “Nós fizemos um estudo de espaço-tempo do terrorismo. E quanto mais você analisa os dados disponíveis, mais você nota que ele acontece em períodos e lugares diferentes”, diz.


Leia mais

Leia também:
Afeganistão: Moscou, Pequim e Teerã pedem ação junto ao Talibã pela "estabilidade na região"
"Enfraquecer o Afeganistão não é vantagem para ninguém", diz porta-voz dos talibãs
Afeganistão: saúde pública à beira do colapso com fim do financiamento estrangeiro

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos