O Twitter vai acabar: Elon Musk fecha escritórios da rede e internautas reagem

Elon Musk's Twitter profile is seen on a smartphone placed on printed Twitter logos in this picture illustration taken April 28, 2022. REUTERS/Dado Ruvic/Illustration
Elon Musk's Twitter profile is seen on a smartphone placed on printed Twitter logos in this picture illustration taken April 28, 2022. REUTERS/Dado Ruvic/Illustration

O Twitter teve seus escritórios fechados temporariamente pelo magnata e CEO Elon Musk nesta sexta-feira (18). A reação dos internautas da rede social é de desespero: a hashtag "O Twitter vai acabar" passou de 40 mil menções no Brasil nesta manhã.

O motivo do fechamento, segundo a BBC News, é o aumento no número de demissões, além de denúncias por jornada de trabalho exaustiva. Ainda nesta semana, Musk enviou mensagem aos funcionários dando um ultimato: ou trabalham 'duro' ou pedem demissão.

Veja o que os usuários da rede estão falando:

No anúncio, a empresa falou aos funcionários:

"Oi, com efeito imediato, estamos fechando temporariamente nossos prédios de escritórios, e os acessos de todos os crachás serão suspensos. Os escritórios reabrem na segunda-feira, 21 de novembro. Obrigado pela sua flexibilidade. Por favor, continue a cumprir a política da empresa, abstendo-se de discutir informações confidenciais da companhia nas redes sociais, com a imprensa ou em qualquer outro lugar. Estamos ansiosos para trabalhar com você no futuro emocionante do Twitter".

Elon Musk comprou a rede social em outubro por US$ 44 bilhões. Naquele momento, eram 7,5 mil funcionários ativos. Na primeira semana de novembro, o bilionário anunciou que cortaria 50% do pessoal; 150 pessoas foram demitidas na sede brasileira.

Outra medida polêmica de Musk foi dar fim ao trabalho remoto. Segundo pesquisa da startup Revelo, 79% dos trabalhadores da área de Tecnologia consideram demissão e troca de emprego para nao de abandonarem a modalidade do home office.

Uma das mais recentes do dono da Tesla foi a seguinte: Musk enviou uma mensagem para a equipe do Twitter dizendo que os funcionários tinham até quinta-feira (17) para considerar se queriam permanecer e “trabalhar longas horas em alta intensidade” ou receber um pacote de indenização de três meses de pagamento.

Na ocasião, o homem mais rico do mundo alegou que qualquer um que não tivesse clicado em um link confirmando “você quer fazer parte do novo Twitter” até a noite de quinta-feira (17), horário de Nova York, seria considerado desistente.