José Miguel Insulza desiste de se candidatar à presidência do Chile

Santiago (Chile), 1 abr (EFE).- O ex-secretário geral da Organização dos Estados Americanos (OEA) José Miguel Insulza desistiu neste sábado de se candidatar pelo Partido Socialista (PS) do Chile às eleições presidenciais de novembro.

A decisão foi anunciada em carta enviada ao Comitê Central do PS na qual o também ex-chanceler chileno deixou claro que se o partido não realizasse a consulta popular que estava programada para o próximo dia 23 a fim de designar o candidato presidencial, ele não estaria disposto a participar de processo diferente.

Para tentar esta candidatura, Insulza tinha renunciado no dia 23 de novembro do ano passado como agente chileno na Corte Internacional de Justiça de Haia para a demanda marítima da Bolívia contra o Chile, uma decisão muito criticada por setores tanto da oposição como do governo.

No entanto, as pesquisas não foram favoráveis ele, já que o situaram muito atrás dos outros potenciais candidatos da governante Nova Maioria, o senador independente Alejandro Guillier e o ex-presidente Ricardo Lagos.

Inicialmente, o Partido Socialista tinha decidido em seu XXX Congresso realizar uma consulta popular para escolher seu candidato, mas neste sábado o Comitê Central da formação com mais militantes do país decidiu dar marcha à ré e não fazer a convocação.

"A partir desta decisão, ele deixa de ser candidato presidencial do Partido Socialista", anunciou neste sábado o coordenador de campanha de Insulza, Marcelo Contreras.

"Não estou disponível para participar de outra forma de designação distinta da Consulta Cidadã. Atuei por isso que considero a melhor conveniência do partido e acho que seria um erro grave mudar agora o procedimento estipulado", explicou Insulza na carta. EFE

mf/vnm