Obama adverte que mudanças no sistema de saúde prejudicarão os americanos

(Arquivo) O ex-presidente americano Barack Obama

O ex-presidente americano Barack Obama rompeu nesta quinta-feira seu longo silêncio desde que deixou a Casa Branca, para alertar contra qualquer alteração no atual sistema de saúde público que possa atingir milhões de americanos.

"Nosso ponto de partida deveria ser que qualquer mudança em nosso sistema de saúde seja para melhorá-lo, e não torná-lo pior para milhões de trabalhadores americanos", afirmou o ex-chefe de Estado em um comunicado, horas antes da votação no Congresso que poderá modificar o modelo conhecido como 'Obamacare'.

Em sua nota, emitida quando se completa nesta quinta o sétimo ano da aprovação do sistema de saúde que é considerado um legado de seu governo, o ex-presidente assinala que foi o primeiro no país a definir a saúde pública como um direito de todos.

"Depois de um século de conversações, décadas de tentativas e um ano de debate partidário, nossa geração teve êxito. Finalmente declaramos que, nos Estados Unidos, o cuidado com a saúde não é privilégio para poucos e sim um direito de todos", destacou.

No entanto, recordou que em cada oportunidade insistiu que era necessário "continuar construir a partir dessa legislação".

O presidente Donald Trump prometeu durante sua campanha eliminar o sistema Obamacare e, nesta quinta, o Congresso deve iniciar o debate pra votar um projeto de lei - já chamado de 'plano Trump'- em uma discussão que deverá ser extensa e difícil.

Diversas fontes afirmam que o plano proposto pela Casa Branca deixará um enorme número de americanos sem cobertura médica, um contingente que o departamento de estatísticas do próprio Congresso calcula em 14 milhões de pessoas.