Obama pede "ação agora" para ajudar países insulares a lidar com mudança climática

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Ex-presidente dos EUA, Barack Obama, discursa na COP26
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Valerie Volcovici

GLASGOW (Reuters) - O ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama pediu, nesta segunda-feira, que a conferência do clima da Organização das Nações Unidas (ONU) em Glasgow aborde os riscos da elevação do nível dos mares criam para os países insulares.

Obama disse que os relatos das nações-ilhas nas conversas climáticas de 2015 foram cruciais para se chegar ao Acordo de Paris naquele ano, conforme o qual os países se comprometem a manter o aumento da temperatura global média "bem abaixo" de 2 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais.

"Fui moldado por minha experiência de crescer no Havaí", disse Obama, acrescentando: "Temos que agir agora para ajudar com a adaptação e a resistência".

Outros oradores na Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas de 2021 (COP26) pressionaram Obama por causa da incapacidade dos Estados Unidos e de outros países ocidentais de cumprir as promessas de fornecer 100 bilhões de dólares anuais de financiamento para o clima.

"Entre outros, os EUA estão assombrosamente aquém de pagar sua parcela justa do financiamento para o clima", disse o primeiro-ministro de Fiji, Frank Bainimarama, e acrescentou: "Agora que estamos mais vulneráveis nos dizem para engolir e esperar".

"As nações desenvolvidas estão falhando conosco", disse Bainimarama.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos