OBITUÁRIO-Papa emérito Bento 16 foi primeiro pontífice a renunciar em 600 anos

Papa emérito Bento 16 durante visita a Nova York em 2008

Por Philip Pullella

CIDADE DO VATICANO (Reuters) - O papa emérito Bento 16, que morreu neste sábado aos 95 anos, foi o primeiro pontífice em 600 anos a renunciar, deixando para trás uma Igreja Católica abalada por escândalos de abuso sexual, atolada em má administração e polarizada entre conservadores e progressistas.

Bento, o primeiro papa alemão em 1.000 anos, tinha boas relações com seu sucessor, o papa Francisco, mas sua presença contínua dentro do Vaticano depois que ele renunciou em 2013 polarizou ainda mais a Igreja ideologicamente.

Conservadores alarmados com os movimentos progressistas de Francisco viam Bento como o guardião da tradição. Várias vezes ele teve que dizer aos admiradores nostálgicos por meio de visitantes: "Existe um papa, e é Francisco".

Professor de piano e teólogo formidável, Bento 16 foi, como ele mesmo admitiu, um líder fraco que teve dificuldade para se impor na opaca burocracia do Vaticano e tropeçou de crise em crise durante seu papado de oito anos.

Bento 16 se desculpou repetidamente pelo fracasso da Igreja em erradicar o abuso sexual de crianças pelo clero e, embora tenha sido o primeiro papa a tomar medidas sérias contra o abuso, os esforços falharam em impedir um rápido declínio na frequência à igreja no Ocidente, especialmente na Europa.

Em 2022, um relatório independente em sua Alemanha natal alegou que Bento não agiu em quatro casos de abuso quando era arcebispo de Munique entre 1977 e 1982.

Abalado com o relatório, ele reconheceu em uma carta pessoal que erros ocorreram e pediu perdão. Seus advogados argumentaram em uma refutação detalhada que ele não era o culpado direto.

Bento será mais lembrado por chocar o mundo em 11 de fevereiro de 2013, quando anunciou em latim que estava renunciando, dizendo aos cardeais que era muito velho e frágil para liderar uma instituição com mais de 1,3 bilhão de membros.

Seria difícil seguir seu carismático predecessor, o papa João Paulo 2º, que morreu em 2005, e Bento admitiu as dificuldades em uma despedida emocionada.

"Houve momentos de alegria e luz, mas também momentos que não foram fáceis... Houve momentos... em que o mar estava agitado e o vento soprava contra nós e parecia que o Senhor dormia", disse Bento 16 em sua última audiência geral, reunindo mais de 150.000 pessoas.

A sede de São Pedro foi declarada vaga em 28 de fevereiro de 2013, quando Bento 16 passou a residir no retiro papal de verão em Castelgandolfo, sul de Roma, enquanto cardeais de todo o mundo se reuniam no Vaticano para escolher seu sucessor.

PAPA EMÉRITO

Antes de renunciar formalmente, Bento 16 e seus assessores escolheram unilateralmente o título de "papa emérito" e decidiram que ele continuaria a usar uma batina branca, embora ligeiramente modificada.

Alguns na Igreja reclamaram, dizendo que ele deixou seu sucessor de mãos atadas. Disseram que ele deveria ter voltado a ser cardeal ou padre vestido de vermelho ou preto.

Após a eleição do papa Francisco em 13 de março, Bento 16 mudou-se para um convento convertido no Vaticano para passar seus últimos anos em oração, lendo, tocando piano e recebendo amigos.

Ele raramente aparecia em público, geralmente para grandes cerimônias da Igreja, apesar de ter feito uma visita comovente em junho de 2020 a seu irmão mais velho doente, Georg, um padre, na Baviera. Georg morreu pouco depois, aos 96 anos.

Embora tenha dito que permaneceria "escondido do mundo", Bento não cumpriu essa promessa e por vezes causou polêmica e confusão por meio de seus escritos.

Em um ensaio para uma revista da Igreja na Alemanha em 2019, ele declarou que a crise do abuso de crianças por padres era resultado do efeito da revolução sexual dos anos 1960, do que chamou de panelinhas homossexuais nos seminários e de um colapso geral da moralidade.

Os críticos o acusaram de tentar tirar a culpa da hierarquia da Igreja institucional. Mas foi música para os ouvidos dos conservadores, que se mobilizaram em sua defesa.

A confusão sobre o papel de Bento 16 chegou ao auge em janeiro de 2020 sobre a extensão de seu envolvimento em um livro escrito por um cardeal conservador que alguns viram como uma tentativa de influenciar um documento que o papa Francisco estava preparando.

Isso levou Francisco a demitir o arcebispo Georg Ganswein, secretário de Bento 16, de um importante cargo no Vaticano. O papel de Ganswein como intermediário entre Bento e o cardeal não ficou claro, com muitos acreditando que ele havia enganado Bento, o cardeal ou ambos.

O episódio levou a pedidos de algumas autoridades do Vaticano por regras claras sobre o status de qualquer futuro pontífice que renunciar.

GAFES

Um conservador intransigente em questões sociais e teológicas, Bento literalmente se vestiu na tradição durante seu papado, muitas vezes usando capas com acabamento de pele e sapatos vermelhos em suas aparições públicas --um forte contraste com o estilo mais humilde de seu sucessor.

Ele antagonizou os muçulmanos ao parecer sugerir que o Islã era inerentemente violento e irritou os judeus ao reabilitar um negacionista do Holocausto. As gafes e tropeços atingiram o ápice em 2012, quando documentos vazados revelaram corrupção, intrigas e rixas dentro do Vaticano.

O caso "Vatileaks" resultou na prisão de seu mordomo, Paolo Gabriele, condenado por entregar documentos secretos a um jornalista. Bento mais tarde o perdoou. Gabriele conseguiu um emprego em um hospital do Vaticano e morreu em 2020.

A mídia especulou que a saga, que expôs alegações de um lobby do clero gay operando contra o papa, pode tê-lo pressionado a renunciar. Bento insistiu que ele renunciou porque não podia mais suportar todo o peso do papado, incluindo as cansativas viagens internacionais que a função exigia.

Em uma longa entrevista publicada em 2016, ele reconheceu suas deficiências, mas não considerou seu papado um fracasso.

"Um dos meus pontos fracos talvez seja a falta de determinação no comando e na tomada de decisões. Na realidade, sou mais um professor, uma pessoa que reflete e medita sobre questões espirituais", disse Bento 16 no livro "Último Testamento", do jornalista alemão Peter Seewald.

"O comando prático não é o meu forte e isso é certamente um ponto fraco. Mas não posso me ver como um fracasso."

"ROTTWEILER DE DEUS"

Ele nasceu Joseph Aloisius Ratzinger em 16 de abril de 1927, na aldeia de Marktl, no sul da Alemanha, perto da Áustria.

Quando adolescente, foi alistado à força na Juventude Hitlerista durante a Segunda Guerra Mundial e brevemente mantido pelos Aliados como prisioneiro de guerra, mas nunca foi membro do partido nazista.

Ratzinger tornou-se padre em 1951 e ganhou atenção como conselheiro teológico liberal no Concílio Vaticano II de 1962 e que levou a uma profunda reforma da Igreja.

No entanto, o marxismo e o ateísmo dos protestos estudantis de 1968 em toda a Europa o levaram a se tornar mais conservador para defender a fé contra o crescente secularismo.

Após passagens como professor de teologia e depois arcebispo de Munique, Ratzinger foi nomeado em 1981 para chefiar a Congregação para a Doutrina da Fé (CDF), sucessora da Inquisição, onde ganhou o epíteto de "Rottweiler de Deus".

Ele e o papa João Paulo concordaram que a doutrina tradicional deveria ser restaurada na Igreja após um período de experimentação.

Ratzinger primeiro voltou sua atenção para a "teologia da libertação" popular na América Latina, ordenando o silenciamento de um ano em 1985 do frade brasileiro Leonardo Boff, cujos escritos foram atacados por usar ideias marxistas.

Na década de 1990, Ratzinger pressionou os teólogos, principalmente na Ásia, que viam as religiões não cristãs como parte do plano de Deus para a humanidade.

Um documento de 2004 do gabinete de Ratzinger denunciou o "feminismo radical" como uma ideologia que minava a família e obscurecia as diferenças naturais entre homens e mulheres.

Como papa a partir de 2005, Bento 16 procurou mostrar ao mundo o lado mais gentil de sua natureza, mas nunca alcançou o status de "astro do rock" de João Paulo 2º ou parecia particularmente confortável na função.

ESCÂNDALOS

Escândalos de abuso infantil perseguiram a maior parte de seu papado. Ele ordenou um inquérito oficial sobre os abusos na Irlanda, o que levou à renúncia de vários bispos. Mas as relações do Vaticano com a outrora devota Irlanda católica despencaram durante seu papado. Dublin fechou sua embaixada na Santa Sé em 2011.

As vítimas exigiram que ele fosse investigado pelo Tribunal Penal Internacional. O Vaticano disse que ele não poderia ser responsabilizado pelos crimes de outras pessoas e o tribunal decidiu não aceitar o caso.

Em setembro de 2013, ele negou ter abafado os escândalos. "No que diz respeito a você mencionar o abuso moral de menores por padres, só posso, como você sabe, reconhecê-lo com profunda consternação. Mas nunca tentei encobrir essas coisas", disse ele em uma carta ao autor italiano Piergiorgio Odifreddi.

Bento 16 visitou sua terra natal três vezes como papa e confrontou seu passado sombrio quando visitou o campo de extermínio nazista de Auschwitz, na Polônia. Chamando a si mesmo de "filho da Alemanha", ele orou e perguntou por que Deus estava em silêncio quando 1,5 milhão de vítimas, a maioria judeus, morreram ali durante a Segunda Guerra Mundial.

Uma viagem à Alemanha também provocou a primeira grande crise de seu pontificado. Em uma palestra na universidade em 2006, ele citou um imperador bizantino do século 14 dizendo que o Islã só trouxe o mal ao mundo e que foi espalhado pela espada.

Após protestos que incluíram ataques a igrejas no Oriente Médio e o assassinato de uma freira na Somália, o papa disse que lamentava qualquer mal-entendido que o discurso tivesse causado.

Em um movimento amplamente visto como conciliatório, ele fez uma viagem histórica à Turquia predominantemente muçulmana no final daquele ano e rezou na Mesquita Azul de Istambul com o grão-mufti da cidade.

O papa fez ainda uma viagem aos Estados Unidos em 2008, onde se desculpou pelo escândalo de abuso sexual, prometeu que padres pedófilos teriam que deixar a Igreja e confortou as vítimas de abuso.

Mas em 2009 Bento cometeu um passo em falso após o outro.

O mundo judaico e muitos católicos ficaram indignados depois que ele suspendeu a excomunhão de quatro bispos tradicionalistas, um dos quais era um notório negador do Holocausto. Bento 16 disse mais tarde que o Vaticano deveria ter pesquisado melhor sobre ele.

Os judeus foram ofendidos novamente em dezembro de 2009, quando ele reiniciou o processo de colocar seu predecessor Pio 12, acusado por alguns judeus de fechar os olhos para o Holocausto, de volta ao caminho da santidade após uma pausa de dois anos para reflexão.

O papa provocou consternação internacional em março de 2009, dizendo a repórteres em um avião que o levava para a África que o uso de preservativos na luta contra a AIDS só piorava o problema.

NOMES NO VATICANO

No Vaticano, ele preferiu nomear homens em quem confiava e algumas de suas primeiras nomeações foram questionadas.

Ele escolheu o cardeal Tarcisio Bertone, que havia trabalhado com ele durante anos no escritório doutrinário do Vaticano, para ser secretário de Estado, embora Bertone não tivesse experiência diplomática. Bertone mais tarde foi envolvido em um escândalo financeiro sobre a reforma de seu apartamento no Vaticano.

Bento 16 apoiou a unidade cristã, mas outras religiões o criticaram em 2007, quando ele aprovou um documento que reafirmou a posição do Vaticano de que as denominações cristãs não católicas não eram igrejas plenas de Jesus Cristo.

Os críticos viram seu papado como um esforço concentrado para voltar no tempo nas reformas do Concílio Vaticano Segundo de 1962-1965, que modernizou a Igreja de maneiras às vezes turbulentas.

Bento 16 reformulou algumas decisões do concílio para alinhá-las mais com as práticas tradicionais, como a missa em latim e o governo altamente centralizado do Vaticano.

Um dos temas a que voltou frequentemente foi a ameaça do relativismo, rejeitando o conceito de que os valores morais não eram absolutos, mas relativos a quem os detinha e ao tempo em que viviam.

Bento 16 escreveu três encíclicas, a forma mais importante de documento papal, incluindo a "Spe Salvi" (Salvos pela Esperança) de 2007, um ataque ao ateísmo. A "Caritas in Veritate" (Caridade na Verdade) de 2009 apelou a que se repensasse a forma como a economia mundial é gerida.

Apesar das dificuldades que surgiram por ter dois homens vestindo branco no Vaticano, Francisco desenvolveu um relacionamento caloroso com o homem que já foi apelidado de "Cardeal Panzer" e disse que era como ter um avô em casa.

"Ele fala pouco... mas com a mesma profundidade de antes", disse Francisco certa vez.