Obra da Sabesp contra falta d'água na Grande SP atrasa e fica 20% mais cara

·1 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, BRASIL. 29-09-2016 Conta de agua da Sabesp. (foto: Rubens Cavallari/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, BRASIL. 29-09-2016 Conta de agua da Sabesp. (foto: Rubens Cavallari/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Além de atrasada, vai ficar mais cara a obra da transposição da água do rio Itapanhaú para o sistema Alto Tietê, um dos esforços para combater o risco de falta d'água na região metropolitana de São Paulo lançado depois da última crise hídrica.

A Sabesp acaba de elevar o valor do contrato em R$ 19,88 milhões, para R$ 111,58 milhões. O prazo, que previa 18 meses na época da assinatura com o consórcio formado pelas empresas Cetenco e OAS Engenharia em janeiro de 2018, fica para 2022.

Procurada pela reportagem, a Sabesp diz que foi preciso revisar o projeto original da obra de interligação do rio Itapanhaú. Após quase quatro anos desde a assinatura do contrato, conclui que é necessário implantar um túnel de aproximadamente 600 metros, o que gerou o aditivo.

"A opção pelo túnel visa causar menos impacto no entorno e no tráfego da rodovia Mogi-Bertioga e é a de melhor custo e prazo para finalizar a obra. O bombeamento de água terá início em março de 2022, com a conclusão da obra em julho de 2022", afirma a Sabesp em nota.

Quando o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) assinou a autorização para as obras ainda em 2018, a Sabesp exaltou a escolha do modelo, dizendo que seria semelhante ao utilizado para abastecer Nova York há mais de 150 anos levando água das montanhas a cerca de 160 quilômetros da cidade.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos