Obra do metrô de São Paulo vai interditar trecho da marginal Pinheiros à noite

·1 min de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 19.09.2018 - Estação Sumaré do Metrô, em São Paulo; reconhecimento facial deve funcionar em 3,5 anos. (Foto: Alberto Rocha/Folhapress) ORG XMIT: AGEN1809201508890434
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 19.09.2018 - Estação Sumaré do Metrô, em São Paulo; reconhecimento facial deve funcionar em 3,5 anos. (Foto: Alberto Rocha/Folhapress) ORG XMIT: AGEN1809201508890434

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um trecho da pista expressa da marginal Pinheiros, em São Paulo, será interditado todas as noites desta semana por causa das obras da linha 17-ouro do Metrô. O bloqueio, que começa nesta segunda-feira (25), entre 22h30 e 4h, irá até sábado (30).

Ficará fechado, no sentido Castelo Branco, o pedaço entre a rua Engenheiro Mesquita Sampaio e a ponte Octávio Frias de Oliveira (ponte Estaiada). A alternativa é utilizar a pista local da marginal.

De acordo com o Metrô de São Paulo, as vigas da linha 17-ouro, que vai ligar o aeroporto de Congonhas à estação Morumbi, serão transpostas e instaladas durante a semana.

O monotrilho terá oito estações e conexões com as linhas 5-lilás do metrô e 9-esmeralda, da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos).

Originalmente, a inauguração da linha 17-ouro estava prevista para a Copa do Mundo de 2014, realizada no Brasil. Essa era a intenção do governador Geraldo Alckmin (PSDB) quando assinou a implementação do projeto, em 2011.

Em dezembro de 2020, ao retomar as obras após rescisões de contratos, o governador João Doria (PSDB) afirmou que a construção seria concluída até 31 de dezembro de 2022.

Uma nova previsão, porém, levou a data para o fim de 2023. Em março, o tucano afirmou que, pela sua experiência, o monotrilho pode começar a operar apenas nas primeiras semanas de 2024.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos