Obras que vão ligar Caminho Niemeyer ao Centro de Niterói começam nesta terça

Este ano, Niterói completa 450 anos de sua fundação e ao menos há quase 50 deles aguarda prometidas reformas no Centro. Ainda em 1974, o chamado Aterro da Praia Grande iria ligar a Ponta D’Areia ao Gragoatá. Parte do aterramento nunca foi concluído, restando o espaço onde funciona o terminal das barcas. Nesta terça-feira, às 17h, a prefeitura promete começar mais um projeto de intervenções urbanas na região. Segundo o Secretário municipal de Urbanismo, Renato Barandier, serão lançadas no Teatro Popular Oscar Niemeyer as obras de integração do Caminho Niemeyer com o Centro. O secretário promete que os operários começarão a trabalhar ainda esta semana.

Contexto: Centro de Niterói terá revitalização completa até 2024

Ônibus: rodoviários de Niterói vão participar de estudos sobre mudanças no setor

As obras fazem parte do projeto Centro 450 e consistem na construção de oito novas quadras para futuros lançamentos imobiliários residenciais com lojas no térreo. Os oito quarteirões vão ocupar o espaço de 65 mil metros quadrados hoje ocupados pelo galpão do antigo Carrefour e por ônibus intermunicipais que fazem o local de estacionamento durante o dia.

— Para integrar essa área, vamos prolongar as ruas Marquês de Caxias, Saldanha Marinho e Doutor Fróes da Cruz. Quem estiver no Centro vai poder chegar ao Caminho Niemeyer atravessando duas quadras a pé — diz Barandier.

Ônibus serão retirados

O projeto paisagístico para o local, assinado pelo escritório Burle Marx, inclui ainda a construção de uma alameda, apenas para pedestres, com 220 árvores. A via será transversal às ruas que serão estendidas, cortando o espaço ao meio.

O secretário afirma que foi feito um acordo com o proprietário do galpão do antigo Carrefour para que o mesmo paisagismo seja feito no local do imóvel, e o terreno poderá ser vendido por ele para incorporadoras. Quanto aos ônibus hoje estacionados no local, Barandier afirma que eles terão que ser levados pelas empresas para seus respectivos municípios.

— Os ônibus só ficam ali porque o espaço está desocupado. As empresas os deixam estacionados fora dos horários de pico porque financeiramente não compensa mantê-los rodando com poucos passageiros, tampouco levá-los vazios de volta às suas cidades — diz.

De acordo com a prefeitura, as obras serão entregues concluídas no dia do aniversário de 450 da cidade, em 22 de novembro deste ano. A partir daí, caberá à iniciativa privada a ocupação das quadras com empreendimento imobiliários. A meta do município é licenciar ao menos três mil unidades habitacionais na área até 2024 e receber R$ 4 bilhões em investimentos imobiliários na região nos próximos dez anos.

Ao longo de 2023, também estão previstas obras na Avenida Amaral Peixoto e na Rua da Conceição, além da transformação da Concha Acústica em um polo esportivo e de melhorias na Praça Araribóia. O investimento previsto é de cerca de 400 milhões.

Uma enorme reforma do Centro é uma promessa antiga de diversas administrações municipais. Em 2012, a chapa liderada por Rodrigo Neves, que tinha o atual gestor municipal Axel Grael como vice, foi eleita com a principal promessa de campanha de transformar completamente o Centro por meio do que se chamou à época de Operação Urbana Consorciada (OUC).

O projeto previa o financiamento de obras pela iniciativa privada, que pagaria pelos Certificados de Potencial Adicional de Construção (Cepacs), títulos imobiliários que permitiriam a quem comprasse construir acima do gabarito oficial da região. Este projeto já previa a integração do Caminho Niemeyer ao Centro.

A procura do mercado imobiliário pela área, no entanto, foi muito abaixo da esperada. Sucessivas crises econômicas e questionamentos sobre o licenciamento ambiental das obras na Justiça empurraram os planos por mais de uma década.