Ochoa, Zidane, Milla... e Cristiano Ronaldo: quem já teve de encarar o desemprego durante uma Copa

A seleção de Portugal estreará na Copa do Mundo na quinta-feira, contra Gana, com um jogador desempregado vestindo a braçadeira de capitão: Cristiano Ronaldo. O atacante de 37 anos fez um acordo com o Manchester United para encerrar sua segunda passagem pelo clube inglês.

A situação, apesar de inusitada, não chega a ser inédita. Aconteceu em 2006, com outro astro do futebol, o francês Zinédine Zidane. Quando o craque disputou o Mundial que teve como desfecho derrota francesa na final contra a Itália (no jogo marcado pela cabeçada de Zidane em Materazzi), ele já havia se despedido do Real Madrid. O capitão da seleção francesa disputou sua última partida pela equipe do Santiago Bernabéu em 7 de maio, mais de dois meses antes da decisão da Copa realizada na Alemanha, em 9 de julho.

Tabela da Copa: Confira datas, jogos e resultados do Mundial do Catar

Leia também: A decadente geração belga? Estrelas de 2018, Hazard e Lukaku chegam ao Catar em queda

Outro jogador histórico que esteve em circunstâncias semelhantes é Roger Milla. Em 1990, o camaronês estava isolado em uma ilha no meio do Oceano Índico e jogava por um clube semiamador quando foi convidado a desistir de sua aposentadoria da seleção do país para jogar o Mundial. Então aos 38 anos, Milla foi uma das sensações da competição disputada na Itália, marcando quatro gols e liderando a seleção de Camarões até as quartas de final — feito até então inédito para uma seleção africana. Milla viria ainda a disputar a Copa seguinte e é até hoje o jogador mais velho a marcar um gol em Mundiais, aos 42 anos e 39 dias.

O rol de jogadores desempregados em plena Copa do Mundo inclui também o goleiro Guillermo Ochoa, que parou Lewandowski em cobrança de pênalti nesta terça-feira no empate entre México e Polônia por 0 a 0. Quando disputou, também com destaque, a Copa de 2014 no Brasil, o atleta estava sem clube. Seu contrato com o Ajaccio, time àquela altura na segunda divisão francesa, havia terminado. Depois da Copa, o goleiro foi contratado pelo Málaga, da Espanha.

Outro goleiro que também foi para uma Copa sem ter um clube pagando seus salários é João Ricardo, que defendeu a seleção da Angola em 2006. À época, o atleta estava desempregado há quase um ano e buscava manter a forma física treinando por conta própria. Depois do Mundial, foi para um clube do Irã, país cuja seleção João Ricardo enfrentou na fase de grupos da Copa.