Ocidente reage com cautela ao referendo na Turquia

Apoiadores do "sim" no referendo carregam foto do presidente Erdogan, em Istambul, em 16 de abril de 2017

Alguns países ocidentais reagiram com cautela neste domingo após a vitória apertada do presidente Recep Tayyip Erdogan no referendo que lhe dará mais poderes.

Algumas outras capitais europeias, como Londres, devem esperar o parecer da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), que enviou uma missão de observadores à Turquia.

- União Europeia -

A União Europeia instou o governo turco a procurar o "maior consenso nacional" para que seja possível aplicar as mudanças, em uma declaração conjunta do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, da chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, e do comissário europeu para as negociações de ampliação, Johannes Hahn.

- Conselho da Europa -

O secretário-geral do Conselho da Europa, Thorbjorn Jagland, declarou que "em vista dos resultados apertados", o "sim" venceu com 51,37%, "os líderes turcos devem considerar os próximos passos com sabedoria".

Jagland ressaltou a importância de "assegurar a independência do poder judiciário, conforme o princípio do Estado de Direito inscrito na Convenção Europeia dos Direitos Humanos".

"O Conselho da Europa, di qual a Turquia é um membro pleno, está disposto a apoiar o país neste processo", acrescentou.

- Áustria -

O ministro das Relações Exteriores da Áustria, Sebastian Kurz, declarou no Twitter que o resultado "mostra como o país está dividido o país e que a parceria "com a UE será ainda mais complexa".

A Turquia é oficialmente candidata à adesão, mas o processo está num impasse há anos.

- Dinamarca -

"É raro ver uma democracia restringir uma democracia. A maioria tem o direito de decidir, mas estou muito preocupado com a nova Constituição turca", declarou o primeiro-ministro dinamarquês, Lars Lokke Rasmussen, no Twitter.

- OTAN -

Um representante da OTAN declarou que o referendo constitucional de um membro como a Turquia, "é um assunto do povo turco".