Ocupação de UTIs por Covid em SP leva governo a estado de atenção sobre leitos

·2 min de leitura
*ARQUIVO* BRASIL- SÃO PAULO, SP, BRASIL, 05-06-2020 - COVID-19 EMÍLIO RIBAS - UTI do Hospital Emílio Ribas, onde estão internados pacientes com coronavírus.  (Foto: Ronny Santos/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASIL- SÃO PAULO, SP, BRASIL, 05-06-2020 - COVID-19 EMÍLIO RIBAS - UTI do Hospital Emílio Ribas, onde estão internados pacientes com coronavírus. (Foto: Ronny Santos/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O avanço da Covid-19 levou o governo paulista a ligar sinal de alerta para a necessidade de acionar novos leitos de UTI. Médicos que aconselham o governador João Doria (PSDB) já falaram no risco de a ocupação atingir 90% nas próximas semanas, caso o ritmo de novos casos se mantenha.

O estado tinha nesta segunda-feira (10) 1.567 pacientes em UTI e 3.100 em enfermaria. A taxa de ocupação de leitos em unidades de terapia intensiva estava em 35% na média do estado e em 42% na região metropolitana da capital. Uma semana antes, os índices eram de, respectivamente, 25% e 32%.

"Temos que ter atenção, não preocupação. É estar atento aos números e à velocidade das internações", afirma o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn. Ele afasta a hipótese de colapso, mas diz não descartar a possibilidade de reativar leitos. "As redes do estado possuem capacidade operacional."

"Tivemos um aumento, uma ocupação mais significativa. Estamos atentos à necessidade de ampliação de leitos em determinadas regiões. O acompanhamento é diário, para que possamos tomar alguma medida estratégica eventual", acrescenta.

Segundo Gorinchteyn, o sistema nunca ficou saturado, mesmo nos piores picos da pandemia, desde 2020. Em fases menos graves, a gestão chegou a reduzir em 20% os leitos de UTIs de Covid, mas a medida estacionou com a chegada de novas variantes. "Não progredimos na desmobilização de leitos", diz ele.

O diagnóstico de que, se a disseminação do vírus continuar alta, será preciso rever o plano de leitos em São Paulo tem sido compartilhado nos bastidores por especialistas que dão consultoria ao governo. Uma das avaliações é a de que as próximas duas semanas serão decisivas.

Gorinchteyn afirma que as internações tanto em UTIs quanto em enfermarias se devem à Covid e também à influenza H3N2, mas uma notícia positiva é a redução no tempo de permanência, que ele associa à vacinação. As hospitalizações mais longas pressionavam o sistema e obrigavam a abertura de leitos.

"Agora já temos esses leitos. Não precisaríamos criar novos", diz o titular da Saúde, que ressalta a urgência de incrementar a cobertura vacinal. O principal problema, segundo ele, está na demora de parte da população para buscar a segunda dose e a dose de reforço. A imunização de crianças também é tida como crucial.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos