Odebrecht omitiu informações em delações, aponta investigação

REUTERS/Paulo Whitaker

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Documentos obtidos por site equatoriano mostram que Odebrecht omitiu informações em delações

  • Investigação revela que a operação de compra de contratos da Odebrecht era ainda maior do que a empresa havia assumido

Em dezembro de 2016 a empreiteira brasileira Odebrecht assinou com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DoJ) e as Procuradorias-Gerais da República de Brasil e Suíça um dos acordos mais relevantes de leniência da história recente. Nele, foram revelados detalhes de uma das maiores operações de suborno estrangeiro já descoberto no mundo.

Ex-presidentes e altos funcionários, tal qual diversos executivos da própria Odebrecht, deixaram suas salas direto para a prisão. A delação, além de colocar peixes grandes atrás das grades, mexeu com praticamente todas as principais economias da América Latina.

Leia também

Mas a Odebrecht omitiu dados nessa delação. É o que aponta The Bribery Division, investigação global liderada pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ). O órgão foi responsável também pela divulgação do escândalo Panamá Papers.

A nova investigação revela que a operação de compra de contratos da Odebrecht era ainda maior do que a empresa havia assumido. Além disso, envolveu figuras proeminentes e projetos grandes de obras públicas que até o momento não foram mencionados em processos criminais ou outros inquéritos policiais.

As descobertas divulgadas pela ICIJ foram feitas a partir de uma lista de registros que vazou de dentro da própria Odebrecht. Os dados são de uma divisão da empresa chamada Setor de Operações Estruturadas, que, entre outros, tem como uma de suas principais funções gerenciar os subornos da empreiteira.

Veja a lista de revelações feita pela reportagem:

  • 17 pagamentos totalizando cerca de US$ 3 milhões relacionados a um gasoduto peruado

  • Emails que discutiam pagamentos secretos de um bando da Odebrecht para empresas-fantasmas relacionados à construção do metrô de Quito, no Equador, ao custo de US$ 2 bilhões

  • US$ 39 milhões em pagamentos secretos feitos em conexão com a usina a carvão de Punta Catalina, na República Dominicana

De acordo com o departamento de Justiça dos EUA, a Odebrecht soma um total de US$ 778 milhões pagos em propinas entre 2001 e 2016. O montante resultou em um total de US$ 3,3 bilhões em benefícios ilícitos.

As demais descobertas serão publicadas em reportagens a partir da quarta (26). Os registros foram obtidos pelo site equatoriano La Posta e compartilhados com a ICIJ. No Brasil, participaram da investigação jornalistas da revista Época e do site Poder 360.

Em nota enviada ao ICIJ, a Odebrecht afirmou estar comprometida com a total cooperação com as autoridades. “A Odebrecht continuará empenhada em um processo de colaboração irrestrita com as autoridades competentes”, afirmou a empresa.