'Odisseia': cubanos contam tentativa fracassada de migrar para os EUA

·2 min de leitura
Um migrante cubano emerge da água antes de ser detido por agentes cubanos, após naufragar em sua tentativa de chegar aos Estados Unidos, em 4 de junho de 2009 em Havana (AFP/ADALBERTO ROQUE) (ADALBERTO ROQUE)

Sete dias no mar, três deles à deriva, sem comida nem água: onze jovens cubanos contaram nesta quinta-feira (13) à rede de televisão da ilha sobre a "odisseia" que viveram em sua tentativa malsucedida de migrar ilegalmente para os Estados Unidos.

Diante do perigo de serem arrastados pela corrente do Golfo do México, após o naufrágio do pequeno barco de pesca em que viajavam, dois dos jovens tentaram nadar até à costa e avisaram as tropas da Guarda Fronteiriça, que conseguiram resgatar o resto do grupo.

Um dos náufragos, que não foi identificado, contou a “odisseia” que viveu com seus companheiros. "O dia inteiro tirando água, as ondas pra dentro, as ondas pra fora (...) Eu me assustei bastante. Achei que ia morrer".

Desde que deixaram a ilha, passaram sete dias no mar, três deles à deriva, sem ter o que comer ou água para beber. Um sofreu ataques de pânico.

Mario César Suárez, segundo comandante da Guarda Fronteiriça na província de Pinar del Rio, explicou que os jovens foram resgatados em uma "área de bastante complexidade".

“Lá se expuseram a perigos como fortes ondas, fortes correntes. Também ficaram à disposição de predadores”, como tubarões, acrescentou Suárez.

“Remamos um dia inteiro para tentar ficar nas margens, mas não conseguimos porque a correnteza era tão forte que não nos deixava (...) Ficamos o dia todo sem comer”, relatou o migrante.

Em dezembro, dois cubanos morreram quando uma embarcação com 23 migrantes a bordo afundou em águas cubanas, de acordo com a mídia local. Oito meses antes, dois outros haviam morrido e 10 desaparecido no mar quando tentavam chegar à costa da Flórida.

A crise econômica que Cuba vive leva muitos a tentar emigrar de qualquer jeito, em busca de melhores perspectivas, especialmente os mais jovens.

A Guarda Costeira dos Estados Unidos informou nesta quinta que repatriou 33 cubanos interceptados no mar naquele dia. Desde 1º de outubro, eles já somam 557.

Segundo a mesma fonte, durante o ano fiscal de 2021, foram interceptados no mar 838 cubanos, contra 49 no mesmo período de 2020.

Havana culpa Washington por não cumprir um acordo que prevê que os Estados Unidos concedam 20 mil vistos migratórios por ano a cubanos, uma cota que quase nunca se concretiza.

rd/lp/dl/ic/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos