OEA se reunirá em 15 de junho para analisar situação na Nicarágua

·1 minuto de leitura
O presidente Daniel Ortega e sua esposa, a vice-presidente Rosario Murillo, durante o 41º aniversário da Revolução Sandinista, em Manágua, 19 de julho de 2020

A Organização dos Estados Americanos (OEA) se reunirá na próxima terça-feira para analisar a situação na Nicarágua, onde o governo de Daniel Ortega deteve quatro candidatos à presidência nas eleições de novembro, entre outros opositores, nos últimos dias.

O Conselho Permanente da OEA, que reúne os 34 membros ativos do bloco regional, realizará uma sessão extraordinária em 15 de junho para "tratar da situação na Nicarágua", segundo um comunicado.

A reunião, que será em formato virtual, foi solicitada por Brasil, Canadá, Chile, Costa Rica, Estados Unidos, Paraguai e Peru.

Um projeto de resolução apresentado por esses países pede a "libertação imediata" dos detidos, assim como de todos os presos por motivos políticos na Nicarágua.

Além disso, insta o governo Ortega a aplicar todas as normas internacionais relevantes para a realização de eleições livres e justas em 7 de novembro, "incluindo a boa recepção de observadores eleitorais confiáveis da OEA e de outros países".

O texto destaca com "grande preocupação" que as autoridades nicaraguenses não implementaram as reformas eleitorais até maio deste ano para garantir a transparência das eleições de 7 de novembro, prazo fixado pela Assembleia Geral da OEA em outubro passado.

A convocação para a terça-feira veio depois que o secretário-geral da OEA, Luis Almagro, pediu na quarta a suspensão da participação da Nicarágua no bloco regional pelo que considerou um "ataque sem precedentes" de Ortega contra seus oponentes.

ad/yo/ap/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos