Oferta da Microsoft pela Activision enfrenta investigação antitruste da UE

Por Foo Yun Chee

BRUXELAS (Reuters) - A Microsoft pode ter que oferecer concessões para lidar com receios antitruste da União Europeia sobre sua oferta de 69 bilhões de dólares pela Activision Blizzard, fabricante da "Call of Duty", após reguladores abrirem investigação nesta terça-feira e alertarem sobre o impacto do negócio.

A empresa de software norte-americana, que anunciou o acordo em janeiro, está apostando que a estabilidade de jogos da Activision a ajudará a competir melhor com os líderes Tencent e Sony, com o último crítico do acordo.

"A investigação preliminar da comissão mostra que a transação pode reduzir significativamente a concorrência nos mercados de distribuição de videogames para console e PC, incluindo serviços de assinatura de vários jogos e/ou serviços de streaming de jogos em nuvem, e para sistemas operacionais de PC", disse a Comissão Europeia em comunicado.

"A investigação sugere que a Microsoft pode ter capacidade, bem como potencial incentivo econômico, de se engajar em estratégias de encerramento em relação aos distribuidores rivais de videogames de console da Microsoft", acrescentou.

A empresa disse que trabalhará com o órgão antitruste para abordar preocupações válidas.

"A Sony, como líder do setor, diz estar preocupada com Call of Duty, mas dissemos que estamos comprometidos em disponibilizar o mesmo jogo no mesmo dia no Xbox e no PlayStation. Queremos que as pessoas tenham mais acesso aos jogos, não menos", disse um porta-voz da Microsoft.

O órgão de defesa da concorrência europeu disse que decidirá até 23 de março de 2023 se autorizará o acordo. O Reino Unido também está investigando a aquisição, com preocupações semelhantes às da União Europeia.

(Por Foo Yun Chee e Marine Strauss)