Oito alunos são expulsos de colégio após denúncias de racismo com referências a Hitler no WhatsApp

Oito alunos foram expulsos nesta sexta-feira (4) de um colégio de Valinhos (SP) após um estudante negro de 15 anos denunciar mensagens racistas, machistas, gordofóbicas e xenofóbicas em um grupo de WhatsApp. Em nota, o Colégio Visconde de Porto Seguro informou que desligou os jovens após uma apuração interna do caso.

Ensino superior: Índice de matrículas no ensino superior que têm bolsa ou financiamento é o menor desde 2013

O advogado dos adolescentes desligados afirmou que a decisão da instituição foi precipitada e que não "houve o direcionamento de ofensa racial a qualquer aluno da escola" (veja a posição abaixo).

O grupo de WhatsApp reuniu mensagens com referências a ditadores como o nazista Adolf Hitler e o fascista italiano Benito Mussolini.

"Reforçamos nosso repúdio veemente a toda e qualquer forma de discriminação e preconceito, os quais afetam diretamente nossos valores fundamentais. Nesse sentido, o Colégio aplicou aos alunos envolvidos as sanções disciplinares cabíveis nos termos do Regimento Escolar, inclusive a penalidade máxima prevista, que implica seu desligamento imediato desta instituição", comunicou o colégio.

Agora, os pais dos jovens devem procurar outros colégios para os alunos se matricularem.

O caso foi assunto de reportagem do g1 na terça-feira (1º) e, desde então, repercutiu. Nesta quinta-feira (3), a Federação Israelita do Estado de São Paulo divulgou uma nota para cobrar do colégio "atitude enérgica" contra a situação.

De acordo com o colégio, foi feita uma apuração das manifestações de alunos nas redes sociais. "Reiteramos nossa consternação e indignação com o conteúdo de caráter racista, antissemita e misógino de algumas dessas mensagens", comunicou a unidade.

Intolerância: UFSC recebe carta com ameaça nazista assinada pela 'SS': 'Iremos destruir todos vocês'

O Porto Seguro informou, ainda, que reforçará as práticas antirracistas, de conscientização e respeito à diversidade, em todos os campus "para procurar evitar a reincidência de uma situação gravíssima e inadmissível como essa" (leia a nota completa ao fim da reportagem).

Investigação da Polícia Civil

O caso é investigado pela Polícia Civil. Diretor do Departamento de Polícia Judiciária de São Paulo Interior 2 (Deinter-2), José Henrique Ventura afirmou que os responsáveis estão sendo identificados e que pelo menos um crime foi cometido, mas outros podem ser verificados durante a investigação.

"Pode ser até apologia a alguma outra coisa, mas a injúria racial está caracterizada. Esse expediente será encaminhado provavelmente ainda hoje [terça] para o Juizado da Infância e Juventude. Lá o Ministério Público vai se manifestar", disse Ventura.

Veja o vídeo: Aluno de universidade em São Paulo é retirado de sala após usar casaco com símbolo nazista

"O juiz da Infância e Juventude vai instruir e aplicar a penalidade que ele achar aplicável ao caso que não seja medida restritiva de liberdade porque são adolescentes", afirmou o diretor do Deinter-2.

O caso

O grupo de WhatsApp foi criado, segundo a advogada e o filho dela, por estudantes do colégio no domingo (30) e denominado de Fundação Antipetista. Segundo a mãe do estudante, depois que o jovem foi adicionado e questionou as imagens, foi excluído.

"Quero que esses nordestinos morram de sede", escreveu um dos membros do grupo. Outra mensagem tinha figurinhas de suásticas, símbolo do nazismo. Outra mensagem dizia: "A Fundação dos Pro Reescravização do Nordeste".

Fraude: Sites vendem diploma de curso superior para quem sequer pisou em sala de aula:

Após ser excluído, o estudante encontrou mensagens no Instagram de um integrante do mesmo grupo se referindo a Hitler e à morte de judeus. Ele denunciou e foi novamente alvo de ofensas. Relembre na reportagem abaixo.

Protesto do jovem

Na manhã de terça, o estudante fez uma manifestação na escola. Em cima de uma mesa e com megafone na mão, ele disse que ninguém vai aceitar preconceito.

“Pra todos esses alunos que fizeram esses comentários, é expulsão neles. Eles não podem ficar nesta mesma escola”, disse durante o ato acompanhado de amigos.

Em entrevista à reportagem da EPTV, o jovem afirmou que criou coragem para protestar por não se sentir confortável em estudar no mesmo colégio que pessoas que fazem referência a nazistas.

“A gente não se sente confortável na mesma escola de racistas, de nazistas. A gente fez esse protesto para exigir que isso aconteça mesmo e para não abafar o caso”.

“Para não deixar as pessoas esquecerem. As pessoas têm que lembrar", completou.

Advogado dos alunos

O advogado dos alunos apontados como supostos autores dos ataques, Ralph Tórtima Stettinger Filho, afirmou que se surpreendeu com a decisão do colégio e descreveu o desligamento como uma "precipitação".

"Primeiramente, porque os fatos alardeados ocorreram no domingo, imediatamente após o resultado das eleições, portanto fora do contexto escolar. Também, porque jamais houve o direcionamento de ofensa racial a qualquer aluno da escola", argumentou o advogado.

"O que houve, sim, foi a evidente distorção dos fatos por quem os denunciou. Não tenho dúvida de que a desinformação colaborou para essa equivocada decisão. É algo que facilmente será demonstrado e merece correção. Esses pré-adolescentes sequer tiveram a oportunidade de serem ouvidos, quando então esclareceriam o ocorrido. Vejo que o espectro comercial preponderou na decisão do Colégio em relação ao aspecto humano, contrariando o que se espera de educadores", completou Tórtima.

Nota completa do colégio

"O Colégio Visconde de Porto Seguro preceitua a todos os seus alunos, há mais de 140 anos, valores éticos e de respeito ao próximo, praticados e reforçados continuamente, da Educação Infantil ao Ensino Médio e Abitur, de forma a fortalecer o reconhecimento e valorização da diversidade.

Prosseguindo com a apuração das manifestações de alunos de nosso Colégio em redes sociais no início desta semana, reiteramos nossa consternação e indignação com o conteúdo de caráter racista, antissemita e misógino de algumas dessas mensagens.

Reforçamos nosso repúdio veemente a toda e qualquer forma de discriminação e preconceito, os quais afetam diretamente nossos valores fundamentais. Nesse sentido, o Colégio aplicou aos alunos envolvidos as sanções disciplinares cabíveis nos termos do Regimento Escolar, inclusive a penalidade máxima prevista, que implica seu desligamento imediato desta instituição.

Considerando o atual contexto de intolerância e violência verificado em nossa sociedade, o qual se reflete nas famílias e grupos de amigos, em vista dos fatos recentes, o Colégio reforçará suas práticas antirracistas, de conscientização e respeito à diversidade, em todos os câmpus, abordando o assunto de forma ainda mais contundente em suas pautas cotidianas, com iniciativas envolvendo a comunidade escolar, inclusive com apoio de consultoria especializada, para procurar evitar a reincidência de uma situação gravíssima e inadmissível como essa.

Reiteramos nossa solidariedade e apreço a todos que foram ofendidos e continuaremos prestando o devido acolhimento aos alunos e famílias.

Seguiremos cumprindo a nossa missão de promover a educação e a cidadania, auxiliando nossos alunos no desenvolvimento da empatia e respeito ao outro, para a promoção de uma cultura de paz e tolerância mútua.

Contamos com o apoio muito próximo das famílias e dos alunos nessa caminhada, inclusive com o uso consciente das mídias sociais".