Oito hábitos de higiene para mulheres e homens após o sexo

·7 minuto de leitura
Pes na cama
Você mantém bons hábitos de higiene sexual?

Lavar as mãos é mais importante hoje do que nunca, mas você faz isso antes e depois de fazer sexo com alguém?

Pode ser desconfortável — como interromper o ato e perguntar ao seu parceiro sexual: "querida, você lavou as mãos?" — mas os sexólogos insistem que essa regra de higiene pessoal é essencial nos relacionamentos íntimos.

É um passo simples para evitar, por exemplo, uma candidíase (infecção genital causada por um fungo).

"Limpar as mãos, boca e dentes é vital, já que esses órgãos costumam intervir durante as relações sexuais", diz à BBC News Mundo (serviço em espanhol da BBC) Thamara Martínez Farinós, psicóloga e sexóloga do Instituto Espill, em Valência, na Espanha.

Além das mãos, você deve limpar os órgãos genitais diariamente. Mas aqui uma "lavagem rápida" não adianta, esclarece a especialista.

"A higiene sexual é de primordial importância, pois pode frear as doenças sexualmente transmissíveis (DST)", diz Vicente Briet, psicólogo clínico e especialista em sexologia, à BBC News Mundo. Briet é chefe da área de sexologia da Universidade de Alicante, Espanha.

Ele considera que a higiene é "um poderoso afrodisíaco e um estimulador da libido".

E "o cultivo do erotismo começa com a importância que atribuímos ao cuidado do nosso corpo e a atenção que prestamos à nossa higiene sexual e pessoal".

Abaixo, algumas dicas de como colocar isso em prática.

Os homens...

O Serviço de Saúde Pública do Reino Unido (NHS) explica em seu site como homens e mulheres devem cuidar adequadamente de suas áreas íntimas.

Para os homens, os médicos recomendam lavar o pênis com água morna todos os dias durante o banho, dando atenção especial à área sob o prepúcio para evitar o acúmulo de esmegma, um agente antibacteriano que também atua como lubrificante.

"O principal tratamento para o esmegma é baseado em bons cuidados de higiene peniana", diz Briet.

Se acumular, pode começar a cheirar mal e se tornar o terreno ideal para a proliferação de bactérias.

Isso pode se traduzir em vermelhidão e inchaço da cabeça do pênis, que é chamado de balanite.

Casal na cama
Sua higiene sexual afeta não só você, mas também seu parceiro

"É muito surpreendente quantos homens não lavam embaixo do prepúcio. Eles não apenas tendem a ter complicações derivadas da falta de higiene, mas também é muito desagradável para sua parceira sexual", escreve Patrick French, médico especialista do site do NHS na saúde sexual.

Briet concorda: "A higiene íntima masculina nem sempre recebe a atenção que merece."

"Seja por falta de informação ou por desconhecimento, alguns homens cometem o erro de não lavar bem os órgãos genitais, apesar das consequências negativas que isso pode trazer: cheiros, mal-estar e infecções", diz à BBC Mundo.

"A região genital do homem é propícia ao aparecimento de infecções e outros problemas urológicos", indica.

"Não só porque por meio dele expulsamos urina e sêmen, cujo acúmulo pode causar infecções, mas também porque é a pele que é especialmente sensível à fricção."

"E a tudo isso se acrescenta que nele acumulamos suor, o que facilita a proliferação de bactérias e fungos se não for lavado diariamente."

O NHS desaconselha o uso de sabonete e gel de banho em excesso; água morna é suficiente.

Mas se o sabão for usado, ele deve ser "suave ou sem cheiro para reduzir o risco de irritação da pele".

Briet diz que não basta limpar a superfície do pênis, mas que o prepúcio precisa ser retraído para que a água e o sabão também atuem na região da glande.

"Principalmente nas partes do pênis mais escondidas pelo frênulo peniano, é conveniente usar um sabonete neutro para limpar os órgãos sexuais e enxaguar com bastante água."

Mulheres...

Quanto às mulheres, os especialistas em saúde sexual concordam que há desinformação, apesar da enorme indústria dedicada à higiene vaginal.

Banho
A lavagem íntima é importante, mas não é necessário usar perfume

"A vagina é projetada para ser mantida limpa com a ajuda de secreções naturais (corrimento vaginal). Não precisa de duchas ou lenços vaginais", diz o site do NHS.

"Existem muitas bactérias dentro da vagina que estão lá para protegê-la", acrescenta.

Na verdade, muitos sexólogos consideram esses produtos não apenas desnecessários, mas também perigosos.

"A vulva (a parte externa da genitália feminina) pode ser limpa com sabonetes e produtos especializados para a área", comenta Thamara Martínez.

"Ainda assim, dependendo da pessoa, podem causar irritação e aumentar o risco de infecções. O que eu recomendo é lavar com água pelo menos uma vez ao dia."

Em relação à parte interna, a sexóloga desaconselha a ducha: "Os riscos são muito maiores do que os benefícios que oferecem, por isso recomendamos não utilizá-los".

Mulher e rosas
O corpo é sábio: você não precisa limpar o interior da vagina.

Entre os possíveis riscos ou reações adversas, ela lista o seguinte:

  • mudanças no PH (o potencial de hidrogênio da pele)

  • ardor e coceira

  • diminuição do muco cervical (que é responsável pela lubrificação da vagina)

  • reações alérgicas

  • maior risco de desenvolver infecções

  • complicações que podem surgir durante a gravidez, como o aumento do risco de parto prematuro

"Nosso corpo é tão sábio que sabe manter sua higiene interna", finaliza a especialista.

Briet afirma que, embora existam cremes hidratantes ou reparadores para combater a irritação ou coceira na região íntima feminina, "o que se deve evitar são aquelas tendências inúteis de perfumar suas partes com desodorantes, colônias ou sabonetes com odores que favoreçam a irritação de pele e torná-la mais vulnerável a possíveis ataques bacterianos".

Ele também desaconselha o uso de duchas higiênicas ou absorventes perfumados.

"A vagina normalmente se limpa sozinha. As paredes produzem seu próprio fluido que carrega células mortas e outros microrganismos para fora do corpo", esclarece.

"E os cuidados íntimos devem ser tomados com mais cuidado nos dias da menstruação."

Homens e mulheres

Uma dica de sexologistas para homens e mulheres é urinar antes e depois da relação sexual.

"Urinar após a relação sexual é uma das melhores medidas para evitar contrair infecções indesejadas, seja na forma de micróbios, bactérias ou secreções", diz Martínez.

"Ir ao banheiro no final das relações sexuais ajuda a expulsar tudo o que surgiu, purificando-o e evitando que chegue a órgãos sensíveis como a bexiga", explica.

"E urinar antes é de vital importância, principalmente para ter relacionamentos satisfatórios e não ter sensações desconfortáveis."

Briet acrescenta que essa prática é "um bom preventivo de algumas infecções do trato urinário, mas não de todas".

O sexólogo recomenda urinar "imediatamente após a relação sexual" para nos proteger de doenças e reduzir as chances de contrair uma infecção.

"Na verdade, deixar de fazer isso é uma das causas mais comuns de infecções do trato urinário", acrescenta.

Segundo a especialista, as mulheres são mais propensas a esse tipo de infecção e devem se acostumar a urinar 15 minutos após a penetração.

Mamao e banana
Mulheres e homens devem urinar antes e depois de fazer sexo

Pesquisa publicada no The Journal of Family Practice (2002) diz que mulheres saudáveis que urinam 15 minutos após a relação sexual podem ter uma probabilidade ligeiramente menor de desenvolver uma infecção do trato urinário do que aquelas que não o fazem.

"E embora aparentemente não haja nenhuma razão médica para ir direto para o chuveiro ou bidê depois do sexo, ainda é saudável ter um protocolo pós-sexo em mente", conclui Briet.

Principais recomendações:

  • Limpeza diária dos órgãos genitais com água

  • Limpeza das mãos, boca e dentes

  • Use roupa íntima limpa e, se possível, não de tecido sintético

  • Consulte o seu médico e faça exames de rotina uma vez por ano

  • Autoexame por observação direta e palpação para identificar mudanças na forma, coloração, secreções, tamanho e / ou textura

  • Uso de preservativos nas relações sexuais

  • Se você optar pelo sexo anal, deve evitar inserir o pênis no ânus e posteriormente na vagina, pois isso favorece o desenvolvimento de infecções

  • Raspar todos os pelos pubianos não é recomendado, pois os pelos geralmente são uma proteção para os genitais, é melhor apará-los, mas não removê-los completamente

Fonte: Thamara Martínez Farinós, psicóloga e sexóloga do Instituto Espill

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!