Olavo de Carvalho não passou pela imigração para sair do Brasil e voou do Paraguai para os EUA

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
JOSHUA ROBERTS/REUTERS
JOSHUA ROBERTS/REUTERS

A saída à francesa do Brasil de Olavo de Carvalho após ser intimado pela Polícia Federal envolveu compra de passagens em dinheiro, viagem de carro até o Paraguai e cruzamento da fronteira sem passar pela imigração. 

O guru do bolsonarismo saiu do país depois de a PF o chamar para depor e alegou problemas de saúde para não comparecer à oitiva.

Já nos EUA, gravou um vídeo em que negou ter saído para se esconder do depoimento e disse que lhe ofereceram passagens de última hora. 

As informações são do inquérito sobre a existência de milícias digitais, no qual Olavo foi intimado. 

Ele foi intimado no dia 9 de novembro. Um dia depois, a esposa do escritor comprou duas passagens para Miami com saída de Assunção, no Paraguai, previstas para o dia seguinte. 

A compra foi realizada em um agência de viagens e o pagamento foi feito em dinheiro. 

Ainda no dia 10, após a aquisição dos bilhetes, Olavo saiu sem avisar da clínica onde estava internado. O estabelecimento registrou a saída como "evasão do paciente". 

Depois de deixar o local, o casal remarcou as passagens para o dia 13 de novembro, quando decolaram rumo aos EUA. 

Ele viajou de carro até o Paraguai e não passou pela imigração ao sair do Brasil. 

Em 16 de novembro, o guru do bolsonarismo gravou um vídeo nos EUA em que negava qualquer relação entre sua saída e o depoimento. Ele também não admitiu ter sido intimado. 

"Eu estava no hospital e me ofereceram um voo repentino para dali a 15 minutos. Eu não ia perder essa oportunidade", disse em vídeo gravado já nos EUA. 

Olavo diz que a "coisa foi tão rápida" que não foi possível se despedir dos médicos e enfermeiros do hospital em que estava internado. "O pessoal chama de saída à francesa", disse. 

O escritor foi chamado a depor no inquérito que apura a existência de uma milícia digital voltada a desacreditar a democracia e as instituições.

da Folhapress

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos