De olho na Black Friday: fiscais do Procon-RJ fizeram levantamento de preços e tabela será divulgada hoje

·3 min de leitura

Para o consumidor não cair em uma furada na Black Friday, o setor de fiscalização Procon Estadual do Rio de Janeiro (Procon-RJ) está fazendo o monitoramento de preços de produtos eletrônicos e de eletrodomésticos comercializados em oito grandes sites varejistas. Entre os itens estão os queridinhos do consumo: TVs, smartphones, geladeiras, lavadora de roupas, fogões, microondas, notebook, aspirador de pó e fritadeira elétrica.

De acordo com a autarquia, foram coletados preços no final de outubro e também na semana do dia 16 de novembro. E na própria sexta-feira, dia da Black Friday, os fiscais vão verificar o valor que os itens estão sendo comercializados para apurar se vai haver maquiagem de preços. Em cada site, diz o Procon, foram coletados preços de mais de 80 produtos.

Os preços serão divulgados no site da autarquia para o consumidor fazer a comparação já a partir desta quarta-feira. O Procon adverte que se for constatado indício de maquiagem de preço, será instaurado processo administrativo e a empresa poderá ser multada.

— O principal tema das denúncias que recebemos no período da Black Friday é em relação à maquiagem de preços. Consumidores relatam que as empresas aumentam os preços dos produtos antes da Black Friday e depois voltam ao preço original para dizer que o item está em promoção — explica Cássio Coelho, presidente do Procon-RJ.

De acordo com o levantamento do Procon, no dia 27 de outubro o celular Samsung Galaxy A11 azul de 64GB estava sendo vendido a R$ 999. No levantamento realizado no dia 16 de novembro, o preço do aparelho saltou para R$ 1.233,55 no mesmo site.

Esta semana a autarquia lançou uma cartilha com orientações para os consumidores não comprarem "tudo pela metade do dobro". As orientações do Procon-RJ podem ser baixadas gratuitamente pelo link https://bit.ly/cartilha-blackfriday-2021.

Antes de comprar qualquer produto, segundo o Procon-RJ, o consumidor deve pesquisar os preços em sites e lojas diferentes. Esse levantamento será um parâmetro para saber se os produtos estão com preços realmente promocionais. Além disso, um mesmo produto pode ter preços muito diferentes se comprado em um estabelecimento e não em outro.

— É o momento de comprar aquele produto tão desejado, com um preço mais acessível. O consumidor não pode se afobar, ele precisa prestar atenção ao valor que está sendo combrado pelo produto e ter cuidado redobrado nas compras feitas pela internet — orienta Cássio Coelho.

A segurança no comércio eletrônico também é destacada na cartilha: ao entrar no site, confira na barra do navegador se o endereço eletrônico usa o protocolo HTTPS e se é exibido um ícone em forma de cadeado fechado. Isso indica que o site é seguro e tem certificado digital, orienta o Procon-RJ.

Sites com preços muito abaixo do mercado precisam de atenção redobrada. O consumidor deve desconfiar desse tipo de e-commerce. Caso deseje comprar em um site desconhecido, antes de fechar o negócio, consulte a lista de sites não recomendados do Procon-RJ em https://bit.ly/lista-sites-nao-recomendados.

Outra orientação é ver o que os clientes estão falando nas redes sociais e consulte a reputação do fornecedor nos sites especializados como por exemplo o “Reclame Aqui” ou o “E-bit”.

O Procon-RJ tem também um manual de prevenção à fraude virtual, com orientações para que os consumidores não sejam vítimas de golpes praticados online. O material sobre ser acessado em https://bit.ly/manual-contra-fraude-virtual.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos