Olimpíada 2021: Após boicotes e expulsões, gestos de cunho político entram no script no Japão

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·5 minuto de leitura
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Se política e esporte sempre estiveram entrelaçados ao longo de 30 edições disputadas dos Jogos Olímpicos, não haveria por que ser diferente na segunda vez de uma Olimpíada em Tóquio. Mas há uma novidade: em meio a uma pandemia global que expôs como nunca a urgência de posturas firmes — e num contexto mundial favorável e até encorajador para que os principais esportistas projetem suas vozes em causas políticas, sociais e raciais —, os atletas asseguraram que o direito de se posicionar faça parte hoje do script olímpico.

Nesta quarta-feira, metade das 12 seleções femininas de futebol que estrearam no torneio fizeram algum tipo de manifestação de cunho político, outrora passíveis de punição e até expulsão dos Jogos.

Cinco seleções — Estados Unidos, Reino Unido, Suécia, Chile e Nova Zelândia — se ajoelharam antes do apito inicial de suas partidas, reproduzindo o protesto antirracista que ganhou campos de futebol ao redor do mundo nos últimos anos.

A jogadoras da seleção feminina da Austrália não se ajoelharam, mas se abraçaram no centro do gramado, simbolizando união nacional. O contexto também é político: as australianas posaram para uma foto antes da partida com a bandeira aborígene, que representa os povos nativos da Oceania. Ela foi criada na década de 1970 em meio a protestos por direitos à terra por parte de povos indígenas. Antes que fosse incorporada como símbolo nacional, a bandeira despertou críticas acaloradas quando, em 1994, a velocista Cathy Freeman a exibiu após vencer os 200m e os 400m nos Jogos da Commonwealth.

Após o gesto corajoso, Freeman foi escolhida para acender a pira olímpica nos Jogos de Sydney-2000 e voltou a exibir a bandeira aborígene ao ganhar o ouro olímpico nos 400m rasos naquela edição.

A equipe australiana conta com duas atletas que representam povos originários do país: a goleira Lydia Williams, de 33 anos, e a atacante Kyah Simon, de 17, ambas titulares na partida desta quarta.

— É algo sobre o qual conversamos bastante como equipe. Deixamos que as meninas indígenas conduzissem o momento. Não queríamos chover no molhado, mas sim faz algo que fosse relevante para o nosso país — afirmou a atacante Sam Kerr, capitã da Austrália e autora do segundo gol na vitória por 2 a 1 sobre a Nova Zelândia.

A veterana meia Megan Rapinoe, de 36 anos, ícone da seleção feminina dos Estados Unidos, explicou que a decisão de se ajoelhar ocorreu pela importância de aproveitar a visibilidade dos Jogos Olímpicos.

— É uma oportunidade para continuarmos a usar nossas vozes e as plataformas para falar de assuntos que nos afetam intimamente de diversas maneiras — disse Rapinoe, que começou a se ajoelhar durante a execução do hino nacional dos EUA em 2016, em homenagem ao jogador de futebol americano Colin Kaepernick, que acabou ficando sem contrato na NFL após iniciar a onda de protestos.

As atletas da Suécia, adversárias dos EUA na estreia, também se ajoelharam antes do apito inicial. Com a bola rolando, as suecas conseguiram uma surpreendente vitória por 3 a 0, com dois gols da atacante Blackstenius e um da meia Hurting. No jogo entre Chile e Reino Unido, que terminou em vitória por 2 a 0 para as britânicas, com dois gols da atacante Ellen White, ambas as seleções também se ajoelharam.

As manifestações antirracistas e outras formas de exibição de mensagens de cunho político foram parcialmente liberadas pelo Comitê Olímpico Internacional (COI), que flexibilizou no ano passado a regra 50 da Carta Olímpica, antes proibitiva a quaisquer "demonstrações políticas, religiosas ou raciais". Em sua nova versão, o código permite que atletas expressem suas opiniões respeitando "leis aplicáveis, valores olímpicos e os demais atletas", com veto a conteúdo discriminatório ou com "potencial para violência".

Polêmicas políticas

Os posicionamentos foram permitidos pelo COI antes do início das partidas, de quaisquer modalidades, mas seguem proibidos no pódio. Em 1968, no México, edição que sucedeu a última dos Jogos em Tóquio, os velocistas americanos Tommie Smith e John Carlos fizeram, na premiação dos 200m rasos, aquela que é considerada talvez a maior manifestação política da história olímpica — e foram banidos da competição logo nos dias seguintes, sob pressão do COI. Respectivamente ouro e bronze na prova, Smith e Carlos, ambos negros, ergueram punhos cerrados para o céu num gesto semelhante à saudação Black Power, usada à época pelo grupo ativista Panteras Negras.

No mesmo pódio, o australiano Peter Norman, medalhista de prata naquela prova — e a quem se atribui a ideia de que Carlos pegasse emprestada uma das luvas pretas de Smith —, usava uma insígnia do Projeto Olímpico de Direitos Humanos (OPHR, na sigla em inglês). Os americanos também usavam o emblema da organização que, apesar do que o nome sugere, não tinha relação com o COI.

A atitude de Smith e Carlos ocorreu três décadas depois de outro velocista americano negro, Jesse Owens, conquistar vitórias de dimensões práticas e simbólicas contra o projeto nazista de Adolf Hitler. Owens obteve quatro medalhas de ouro (100m, 200m, revezamento 4x100m e salto em distância) nos Jogos de Berlim-1936, derrotando alemães pelo caminho, diante dos olhares do ditador nazista. Naquela edição, realizada antes das maiores atrocidades do regime de Hitler, a saudação nazista com o braço direito estendido foi largamente registrada, sem punições do COI, que a considerou como um símbolo nacional "legítimo", como as bandeiras de países.

Já após a II Guerra Mundial, diversas edições das Olimpíadas conviveram com boicotes por questões políticas. Os principais ocorreram em Moscou-1980, evitada por nações como EUA, Alemanha e Japão, e Los Angeles-1984, na qual os soviéticos deram o troco e não enviaram atletas.

Apesar de ter flexibilizado as regras para posicionamentos políticos em 2020, o COI adotou uma espécie de "lei do silêncio" nas suas redes sociais: segundo o jornal "The Guardian", a entidade orientou que não houvesse postagens com fotos ou videos de protestos antirracistas das jogadoras.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos