Olimpíada: Após ganhar duas medalhas em Tóquio, Rebeca Andrade fica fora do pódio na final do solo

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Rebeca Andrade tentou fazer sua parte para se se tornar o maior nome do Brasil nesta edição de Jogos Olímpicos. Na manhã desta segunda-feira, ela fez uma grande apresentação na final do solo ao som de "Baile de Favela", mas ficou fora do pódio. O ouro ficou com a americana Jade Carey, com 14.366, e a prata foi para a italiana Vanessa Ferrari, com 14.200. O terceiro lugar acabou em um empate entre a dona da casa Mai Murakami e a russa Angelina Melnikova.

Rebeca tentava sua terceira medalha em Tóquio, foi a sétima a se apresentar, e recebeu a nota 14.033. Na primeira acrobacia de sua série, acabou pisando com um dos pés fora do tablado. Na classificatória, ela havia tirado 14.166.

Independentemente do resultado desta segunda, a participação de Rebeca na Olimpíada é histórica. Após se tornar a primeira medalhista da ginástica brasileira com a prata no individual geral, Rebeca ainda garantiu o ouro na final do salto e se tornou a primeira mulher do Brasil com duas medalhas numa mesma edição de Olimpíada.

Rebeca, de 22 anos, encerra aqui sua participação na Olimpíada. Ela já é a maior ginasta de todos os tempos do país e da América do Sul, e colocou de vez o nome do Brasil no topo da modalidade. Suas conquistas também quebram o domínio recente dos EUA, China e Rússia nas Olimpíadas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos