Olimpíada: Entenda o 'ofá de Oxóssi', comemoração de Paulinho no gol sobre a Alemanha

·2 minuto de leitura

Autor do quarto gol da seleção brasileira na vitória por 4 a 2 sobre a Alemanha, pela estreia da seleção brasileira masculina de futebol nos Jogos Olímpicos de Tóquio, o atacante Paulinho comemorou com um gesto simbolizando uma flecha sendo atirada. A celebração tem um significado profundo para o jogador: trata-se da flecha, ou ofá de Oxóssi, orixá que o protege no Candomblé.

O escritor e historiador Luiz Antonio Simas explica que Oxóssi é considerado, para o Candomblé, o "caçador de uma flecha só", além de um provedor, que traria da floresta a caça para alimentar a população. Dentre os instrumentos associados a cada orixá, o arco e flecha, ou oxá, é o que representa Oxóssi.

— O mito mais famoso diz que em certa ocasião, ele salvou um reino tendo uma só flecha. Matou um pássaro enviado pelas feiticeiras para trazer a fome para aquele reino — diz.

Muito conectado ao Candomblé e à Umbanda, Paulinho, filho de Oxóssi, chegou a sofrer ataques de intolerância religiosa em suas redes sociais após comemorar a volta à seleção olímpica com a frase "Nunca foi sorte, sempre foi Exu. Laroyé!". Firme em suas posições, Paulinho ganhou apoio e foi convidado para desfilar pela Mocidade Independente no ano que vem, que homenageará seu orixá protetor.

— Sou muito agarrado à minha fé. Minha família sempre teve muita conexão com o candomblé e a umbanda. Quando comecei a entender, gostei muito dessa filosofia de vida. Evito focar nesses comentários, que vêm da ignorância, da falta de informação — disse o atacante a Aydano André Motta, na série do GLOBO #nuncaésóesporte.

Para Simas, o gesto de Paulinho é importante no combate ao preconceito às religiões afro-brasileiras, e um gesto que emana representatividade na posição de um ídolo do esporte, em especial às crianças.

— É importante pela representatividade. A gente teve um avanço muito forte de designações neopentecostais que demonizam as religiões afro-brasileiras, e isso repercutiu muito no futebol. Quando um jogador faz uma comemoração dessas, evocando uma entidade do Candomblé que o protege, é muito bonito. Imagino uma criança de terreiro de Candomblé, que sofre um preconceito cotidiano por causa da religião, vendo um ídolo do futebol numa Olimpíada, marcando um gol, fazendo a flecha de Oxóssi, é muito bonito.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos