Oliver Stone diz que ver Macron e Trump juntos é muito deprimente

Oliver Stone (D) junto ao diretor Reza Mir-Karimi, diretor do festival de cinema Fajr, em Teerã

O diretor americano Oliver Stone, que nesta quarta-feira (25) participa de um festival de cinema no Irã, afirmou que a visita do presidente francês, Emmanuel Macron, a Washington está sendo "muito deprimente" e marca um retorno ao "imperialismo da velha França".

Stone, filho de uma francesa, declarou-se "particularmente escandalizado" por ver Macron junto com Trump pedindo uma revisão do acordo nuclear iraniano de 2015.

"Não pude acreditar", declarou à AFP.

"Lembro muito bem do presidente (Jacques) Chirac com grande orgulho dizendo 'não' a (o presidente americano) George Bush quando queria invadir o Iraque em 2003", acrescentou.

"E agora ver este jovem, que não tem muito senso da história, ou de memória das grandes tradições da França... foi muito deprimente", lamentou.

Na terça-feira, Trump e Macron pediram um novo acordo com o Irã que limite o programa de mísseis balísticos de Teerã e o apoio às milícias no Oriente Médio.

Crítico ferrenho da política externa americana durante décadas, Stone disse ainda que Macron fez como Nicolas Sarkozy, quando era presidente da França: "quer se colocar ao lado dos americanos como uma demonstração do poder francês".

"É um retorno ao colonialismo e ao imperialismo da velha França. Macron tem que aprender que não pode ser um imperialista", concluiu.