Omar Aziz diz que Bolsonaro "abre a boca para jogar fezes" e cita rachadinha

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images
Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images
  • O senador Omar Aziz (PSD-AM) rebateu a ofensa contra ele dita pelo presidente Jair Bolsonaro

  • O presidente da CPI da Covid foi chamado pelo chefe do Executivo de "cara de capivara"

  • Aziz afirmou que o presidente "abre a boca para jogar fezes"

Presidente da CPI da Covid, Omar Aziz (PSD-AM) rebateu a ofensa contra ele dita pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no último sábado (6), em Ponta Grossa (PR). O senador foi chamado pelo chefe do Executivo de "cara de capivara".

Em entrevista ao portal UOL, Aziz afirmou que o presidente "abre a boca para jogar fezes": "Uma pena que o Brasil seja governado por esse tipo de gente. O sentimento que eu tenho nesse momento, além de preocupação, é de pena com quem está passando fome e dificuldade".

O parlamentar ainda citou a "rachadinha" (apropriação do salário de servidores) ao falar que Bolsonaro seria "aquele carioca que tira proveito de funcionários do próprio gabinete". O presidente é suspeito de ter cometido este crime de peculato quando ainda exercia a função de deputado federal.

Para Aziz, a imprensa brasileira "não deveria mais dar importância" às declarações do presidente Bolsonaro. "Depois que os cientistas brasileiros se recusaram a receber a comenda científica, a imprensa não deveria mais dar trela para esse sujeito", afirmou ao portal UOL.

Bolsonaro foi acusado de ter cometido ao menos nove crimes durante a condução da pandemia do coronavírus, de acordo com o relatório apresentado em 20 de outubro pelo relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado, Renan Calheiros (MDB-AL).

Entre as imputações estão crimes comuns, que têm pena de prisão e/ou multa, crimes contra a humanidade e crimes de responsabilidade, que podem resultar em impeachment.

Nos casos de crimes comuns, somadas, as penas previstas no Código Penal podem chegar a quase 40 anos de prisão, em caso de pena máxima. Se a pena for mínima, Bolsonaro poderia ser condenado a cerca de 20 anos de detenção.

O relatório apresentado pelo senador Renan Calheiros pede o indiciamento de Bolsonaro pelos seguintes crimes:

  • epidemia com resultado morte;

  • infração de medida sanitária preventiva;

  • charlatanismo;

  • incitação ao crime;

  • falsificação de documento particular;

  • emprego irregular de verbas públicas;

  • prevaricação;

  • crimes contra a humanidade;

  • crimes de responsabilidade (violação de direito social e incompatibilidade com dignidade, honra e decoro do cargo).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos