Ômicron pode ser mutação surgida em animais infectados com Covid, apontam cientistas

·2 min de leitura
3D rendering Futuristic design of Virus exploding, Destroy The Coronavirus
Variante Ômicron tem alto número de mutações na variante S (Foto: Getty Images)
  • Uma hipótese do surgimento da Ômicron é que animais tenham sido infectados com o coronavírus que estava em humanos

  • O vírus teria mutado e, depois, voltado para seres humanos

  • Hipótese ainda não está confirmada, mas explicaria alto número de mutações na Ômicron

A variante Ômicron do coronavírus, que tem ligado o alerta de autoridades sanitárias ao redor do mundo, pode ser uma mutação surgida em animais infectados com a covid-19. Essa é uma das linhas de investigação seguida por pesquisadores.

A informação foi divulgada pelo portal Stat News. A hipótese é que um animal, possivelmente um roedor, tenha contraído a covid-19 humana e, depois, o vírus tenha voltado para um ser humano. Essa seria uma possível explicação para o alto de mutações que a variante apresenta na proteína S.

Kristian Andersen, imunologista do Instituto de Pesquisa Scripps, nos Estados Unidos, ventila a possibilidade de a Ômicron ser fruto de um fenômeno zoonótico – isto é, quando um animal é infectado com um patógeno e, depois, a doença se espalha para humano.

“Sei que a maior parte das pessoas acha que isso aparece a partir de indivíduos imunossuprimidos, e eu acho que isso é plausível, mas, honestamente, eu na verdade acho que esse fenômeno zoonótico reverso, seguido de uma nova zoonose parece mais provável, dado o número de evidências e o a quantidade de mutações, porque a maioria é bem incomum”, explicou à Stat News.

“Não acho que deveríamos descartar essa possibilidade, porque realmente acho que isso está entre as opções”, declarou.

Ainda não há confirmação de que esse tenha sido o caso, mas a hipótese é considerada. Andrew Rambut, professor de evolução molecular no Instituto de Biologia Evolutiva de Edimburgo classificou a possibilidade como “uma hipótese plausível”.

Por outro lado, Emma Hodcroft, epidemiologista molecular no Instituto de Medicina Social e Preventiva de Berd, na Suíça, disse que o mais provável é que o vírus tenha mutado após ser conteúdo por indivíduos imunossuprimidos.

Vacinas adaptadas

As farmacêuticas que produzem vacinas contra a covid-19 já estão trabalhando em versões repaginadas, capazes de proteger a população da variante Ômicron. É o caso da Sinovac, Pfizer, Moderna e AstraZeneca.

Ao mesmo tempo, as empresas também estão fazendo testes para averiguar a eficácia das versões originais dos imunizantes contra a nova variante.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos