OMS aconselha redução dos parceiros sexuais homoafetivos diante de propagação da varíola do macaco

A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu nesta quarta-feira (27) aos homossexuais, comunidade mais afetada pela doença, a redução do número de parceiros sexuais, diante do avanço do surto da varíola do macaco.

A melhor maneira de proteger-se "é reduzir o risco de se expor" à doença, explicou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, durante uma entrevista coletiva em Genebra.

"Para os homens que fazem sexo com outros homens, isso significa, por enquanto, reduzir o número de parceiros sexuais e trocar contato com qualquer nova relação para poder informá-los" em caso de sintomas, para que possam se isolar, explicou Ghebreyesus, que no sábado (23) ativou o nível máximo de alerta da ONU para conter a doença.

Desde o começo de maio, mais de 18 mil casos da varíola do macaco foram detectados em 78 países do mundo. Segundo o chefe da OMS, 70% dos casos estão na Europa e 25% na América.

Até agora, apenas cinco pessoas da África morreram pela doença e 10% dos casos exigiram internação hospitalar para controlar a dor causada pela infecção nos pacientes.

O órgão internacional insistiu contra qualquer tipo de estigmatização, o que poderia levar contaminados a esconder a doença e propiciar a disseminação.

vog/nl/cm/rsc/eg/m

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos