Países se preparam para coronavírus ante alerta de escassez da OMS

Por Laurent THOMET
1 / 2
Um grupo de pacientes contaminados pelo coronavírus esperam seu traslado do hospital No.5 de Wuhan (China) a outro novo na mesma cidade, em 3 de março de 2020

Vários países tentavam controlar suas reservas de máscaras e equipamentos de proteção, essenciais para os profissionais de saúde que combatem a epidemia de coronavírus, nesta quarta-feira (4), que levou o governo italiano a ordenar o fechamento de escolas e universidades por duas semanas.

A Itália, primeiro foco europeu da epidemia, onde foram registradas 107 mortes e 3.089 casos, adotou medidas excepcionais: fechamento de escolas e universidades a partir desta quinta até 15 de março. Além disso, os organizadores da tradicional Bienal de Arquitetura de Veneza anunciaram o adiamento do evento de maio para agosto.

Diante da forte demanda por gel desinfectante, máscaras, luvas e trajes de proteção, a França decidiu confiscar suas reservas e a produção de máscaras, e a Rússia e a Alemanha proibiram, nesta quarta, a exportação de material médico de proteção.

A doença Covid-19 já afeta 81 países e territórios e contaminou mais de 94 mil pessoas, provocando 3.200 mortes no mundo todo.

Neste contexto, o ministro alemão da Saúde, Jens Spahn, falou pela primeira vez em uma "pandemia". "A epidemia do coronavírus na China (se) transformou em uma pandemia mundial".

Diante da redução do tráfego aéreo provocada pela epidemia, a companhia aérea Lufthansa anunciou nesta quarta que vai manter em terra 150 de seus aviões na Alemanha - um quinto de sua frota.

A falta de utensílios na China, onde a epidemia surgiu em dezembro e já ocorreram 2.981 mortes, provocou o contágio de milhares de trabalhadores do setor de saúde e a morte de várias dezenas deles. Isso levou fábricas de fraldas, jaquetas e telefones a se voltarem à produção de máscaras e roupões de produção.

Diante do risco de aumento do contágio, as autoridades cancelam ou adiam qualquer ato que envolva um grande número de pessoas.

Em Londres, os produtores da nova aventura da série James Bond, "Sem tempo para morrer", anunciaram que adiarão a estreia mundial do filme, prevista para abril e novembro.

As competições esportivas também foram afetadas pela epidemia: na Itália, todas as competições, incluindo as partidas de futebol, foram suspensas até o próximo 3 de abril.

Dois grandes eventos esportivas estão suspensos temporariamente: a Eurocopa (marcada para o período de 12 de junho a 12 de julho) e os Jogos Olímpicos de Tóquio (programados para iniciar em 24 de julho e terminar em 9 de agosto).

Já a Arábia Saudita ordenou a suspensão "temporária" da peregrinação "Umrah", que pode ser realizada em qualquer época do ano.

Na França, o santuário de Lourdes, visitado anualmente por milhões de pessoas, anunciou o fechamento de suas piscinas, onde 350.000 peregrinos submergem anualmente em busca de um milagre.

Em Paris, o famoso museu do Louvre reabriu na quarta-feira após três dias fechados.

- 'Resposta global' -

Em nível econômico, organizações internacionais tentam conter o impacto da epidemia de coronavírus.

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, disse nesta quarta-feira que a crise da saúde exige "uma resposta global", enquanto os países membros da instituição prometeram fornecer "todo o apoio necessário para limitar o impacto" da epidemia, "convencidos" de sua capacidade de "restaurar o crescimento".

O Federal Reserve (Fed, banco central) dos Estados Unidos cortou suas taxas de juros de referência na terça-feira, uma medida inédita desde a crise financeira de 2008.

O Banco Mundial anunciou um plano de emergência de 12 bilhões de dólares para ajudar os países a conter a epidemia.

Embora seja cedo para classificar com precisão o impacto econômico do coronavírus, o FMI confirmou que, em 2020, o crescimento mundial seria inferior ao de 2019, mas detalhou que era "difícil prever" quanto.

- Redução de novos casos na China -

O vírus continua a se propagar pelo mundo, mas o ritmo de contágios diminuiu em dois dos países mais castigados: China e Coreia do Sul.

Na China, o número de novas infecções parece ter diminuído e nesta quarta-feira o país registrou queda pelo terceiro dia consecutivo.

A Coreia do Sul informou seu menor aumento de casos em uma semana, com 435 novos contágios. Ao todo, foram registrados 5.621 infectados e 32 mortes.

No Irã, 92 pessoas morreram pela doença e foram registrados 2.922 casos, 586 deles nas últimas 24 horas.

A Espanha anunciou na terça-feira sua segunda morte, um homem de 82 anos que sofria de doenças crônicas, segundo as autoridades.

Há cada vez menos países a salvo da epidemia. Chile, Argentina, Polônia, Senegal e o território britânico de Gibraltar, no sul da Espanha, anunciaram seus primeiros casos. Dois casos também foram detectados dentro das instituições europeias.

Nos Estados Unidos, cem casos e nove mortes foram detectados no estado de Washington (noroeste).

Além disso, Israel (onde há 15 casos), antecipando o aumento de visitantes por ocasião da Páscoa judaica, que começa dentro de um mês, decidiu proibir a entrada em seu território de cidadãos provenientes de França, Alemanha, Suíça, Espanha e Áustria que não residam no país.