OMS alerta para "fracasso" se países ricos não acelerarem divisão de vacinas

·1 minuto de leitura
Frascos rotulados como de vacina para Covid-19 em foto de ilustração

Por Emma Farge e Stephanie Nebehay

GENEBRA (Reuters) - Os países ricos precisam doar mais vacinas contra Covid-19 e seguir o exemplo dos Estados Unidos disponibilizando imunizantes imediatamente para cobrir uma defasagem de 200 milhões de doses causada pela interrupção no suprimento da Índia e por atrasos de fabricação, disse uma autoridade da Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta sexta-feira.

Alertando para uma "recuperação de duas pistas", a OMS está pedindo que países ricos doem seus excedentes a países mais pobres, em vez de dá-los a grupos menos vulneráveis de suas populações, como crianças. Até agora, eles doaram 150 milhões de doses através do esquema de compartilhamento Covax.

Mas, nesta sexta-feira, Bruce Aylward disse que só uma porção pequena destas doses estará disponível no meio termo em junho, julho e agosto, quando podem fazer a diferença para diminuir o ritmo das infecções da pandemia global.

"Precisaremos do dobro disso, e tem que ser proporcionado", disse ele, referindo-se ao tamanho das doações feitas por nações ricas até agora no momento em que ministros da Saúde do G7 se reúnem em Oxford.

"Não temos doses confirmadas suficientes de países suficientes rápido o suficiente para encaminhar o mundo a sair disto...", disse. "Estamos a caminho de um fracasso se não conseguirmos doses logo".

Mesmo após uma cúpula desta semana que garantiu compromissos adicionais de 2,4 bilhões de dólares, uma defasagem de quase 17 bilhões de dólares de financiamento para a iniciativa "ACT Accelerator" da OMS para apoiar vacinas, tratamentos e diagnósticos de Covid-19 persiste, disse.