OMS alerta para possível déficit de seringas em 2022

·1 min de leitura
Profissional de saúde enche seringa com dose de vacina contra a covid-19 em Jandairis, na Síria, em 19 de outubro de 2021 (AFP/Rami al SAYED)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) advertiu nesta terça-feira (9) que pode haver um déficit de até 2 bilhões de seringas em 2022, caso sua produção não consiga seguir o ritmo da imunização contra a covid-19.

"Estamos levantando a real preocupação de que poderemos ter uma escassez de seringas, o que, por sua vez, provocaria graves problemas, como a desaceleração dos esforços de imunização", disse Lisa Hedman, assessora principal da OMS em matéria de acesso a medicamentos e produtos sanitários.

"Dependendo do fornecimento de vacinas, pode haver um déficit de entre um e dois bilhões" de seringas, acrescentou.

Segundo a funcionária da OMS, já estão sendo realizados esforços para tentar impedir esse cenário e ela também fez questão de solicitar aos países que aumentem suas capacidades de produção.

Segundo um levantamento feito pela AFP, mais de 7,25 bilhões de doses de vacinas contra a covid-19 já foram administradas em todo o mundo.

Isso representa quase o dobro do número de vacinas administradas por ano no planeta, e o dobro da quantidade de seringas necessárias.

Para Lisa Hedman, a escassez de seringas poderia provocar um atraso nas companhas de vacinação rotineiras, o que repercutiria na saúde pública "durante anos", caso uma geração de jovens não receba as vacinas infantis habituais.

A falta de seringas também poderia levar à reutilização desses objetos e agulhas, que deveriam ser descartáveis, o que pode trazer o risco de outras infecções, como HIV e hepatite.

rjm/jv/meb/mb/rpr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos