OMS critica racismo de cientistas que querem que África seja 'terreno de testes' para vacina contra coronavírus

O diretor geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em conferência diária sobre a COVID-19

O chefe da OMS condenou nesta segunda-feira os "comentários racistas" de pesquisadores que recentemente se referiram à África como "um campo de testes" para uma potencial vacina contra a COVID-19, denunciando "o legado de uma mentalidade colonial".

"Esses tipos de comentários racistas não contribuem em nada para avançar. Vão contra o espírito de solidariedade. A África não pode e não será um campo de testes para nenhuma vacina", disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, ex-chefe de diplomacia Etíope, durante uma conferência de imprensa virtual.

"O legado da mentalidade colonial deve acabar", acrescentou.

Embora não tenha especificado a quais cientistas se referia, recentemente uma polêmica eclodiu na França e na África devido a uma conversa entre o diretor de pesquisa do Instituto Francês de Pesquisa Médica (Inserm), Camille Locht, e um chefe de serviço de medicina intensiva do hospital Cochin em Paris,Jean-Paul Mira, no canal LCI.

Na sequência, Locht estava sendo questionado sobre os estudos realizados para encontrar uma vacina contra a COVID-19.

Jean-Paul Mira perguntou-lhe: "Se posso ser provocativo, não deveríamos estar fazendo este estudo na África, onde não há máscaras ou tratamento ou reanimação, como foi feito em alguns estudos da aids? (...) O que acha?"

O cientista o respondeu: "Você tem razão. (...) Estamos pensando, paralelamente, sobre um estudo na África com o mesmo enfoque, o que não significa que não possamos também pensar em um estudo na Europa e na Austrália".

As declarações causaram tanta controvérsia que ambos pediram desculpas e foram condenados por associações e pelo Ministério das Relações Exteriores da França.

"É vergonhoso e horrível ouvir cientistas fazendo este tipo de declaração no século XXI", enfatizou o chefe da OMS.