OMS estima que 200 mil pessoas em Gaza precisam de cuidados médicos após conflito

·1 minuto de leitura
Fumaça em Rafah, no sul de Gaza, após ataque israelense em 19 de maio de 2021

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estimou, nesta quarta-feira (2), que cerca de 200.000 pessoas precisam de cuidados médicos na Faixa de Gaza, devastada por um novo conflito entre Hamas e Israel.

"A OMS amplia sua resposta para entregar ajuda sanitária a cerca de 200.000 pessoas que precisam" no enclave palestino, informou em um comunicado seu escritório encarregado do Mediterrâneo oriental.

Entre 10 e 24 maio, 254 palestinos morreram por ataques israelenses em Gaza, dos quais 66 eram crianças. Em Israel, os disparos de foguetes e mísseis anti-tanque de Gaza causaram 12 mortes, incluindo uma criança, uma adolescente e um soldado.

A OMS estima que este conflito provocou o deslocamento de mais de 77.000 pessoas, e que 30 instalações sanitárias foram danificadas.

"A vida dos palestinos se deteriora. Muitas pessoas afetadas pelo conflito têm necessidades urgentes e devem enfrentar outras ameaças sanitárias como a covid-19", declarou Rik Peeperkorn, chefe do escritório da OMS para Gaza e Cisjordânia.

A OMS já ajuda com medicamentos "mais de 2.000 feridos" durante o recente conflito, explicou o especialista, que pediu "um acesso sem restrições para a ajuda humanitária e para o desenvolvimento, assim como para as equipes em Gaza", onde vivem cerca de dois milhões de palestinos.

emp/feb/jz/mb/aa