OMS pede controle de laboratórios na China em investigação sobre origem da covid

·2 minuto de leitura
Imagem fornecida pela OMS mostra o diretor-geral da organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus

A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu, nesta sexta-feira (16), a realização de "controles dos laboratórios" onde os primeiros casos de covid-19 foram identificados na China, como parte da próxima fase da investigação sobre a origem da pandemia.

Em reunião a portas fechadas com os representantes dos Estados-membros da agência da ONU, o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que a prioridade deveria ser o "controle dos laboratórios ou estabelecimentos de pesquisa ativos na região" onde os primeiros casos foram identificados em dezembro de 2019.

Em janeiro, a OMS enviou à China uma missão de especialistas que não conseguiu esclarecer a origem do coronavírus, que já provocou mais de 4 milhões de mortes no mundo.

A organização internacional com sede em Genebra enfrenta há meses uma crescente pressão para realizar uma investigação mais profunda sobre como surgiu a covid-19.

"Esperamos que a China apoie esta nova fase do processo científico, compartilhando todos os dados pertinentes em um espírito de transparência. Esperamos também de todos os Estados-membros que apoiem o processo científico, abstendo-se de politizá-lo", disse Tedros.

Além dos controles dos laboratórios chineses, a OMS quer realizar "estudos integrados que envolvam humanos, animais selvagens, animais em cativeiro e de criação e o meio ambiente", e estudos que "deem prioridade às áreas geográficas onde a circulação do SARS-CoV-2 foi apontada no início e as áreas limítrofes onde foi observada uma forte prevalência do coronavírus vinculado ao SRAS (SARSr-CoV) em reservatórios não humanos".

A agência da ONU pede também a realização de "estudos vinculados aos mercados de animais em Wuhan e suas redondezas, incluindo estudos de monitoramento sobre os animais vendidos nos mercados atacadistas de Huanan", onde foi detectado o primeiro surto da epidemia.

Também pediu "estudos vinculados às atividades que visam rastrear o histórico dos animais, acompanhadas de trabalhos adicionais em epidemiologia e epidemiologia molecular, incluindo as primeiras sequências do vírus".

Além dos desejos da OMS, a nova fase se anuncia perigosa após a rejeição da China, nesta sexta-feira, sobre as críticas de Tedros pela sua suposta falta de cooperação.

apo/nl/mar/dbh/mr/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos