OMS pede dinheiro para ajudar quatro países

Refugiados sírios aguardam para receber comida no campo de refugiados de Yarmkuk, no dia 23 de fevereiro de 2015

A Organização Mundial de Saúde (OMS) lançou nesta terça-feira um pedido para angariar fundos no valor de 1 bilhão de dólares para a ajuda humanitária a quatro países em crise: Síria, República Centro-Africana, Iraque e Sudão do Sul.

O apelo foi lançado no final de uma reunião em Genebra da OMS, reunindo mais de 50 países doadores e os setores de saúde de organizações humanitárias.

Do valor pedido, 322,7 milhões são solicitados pela própria OMS, que visa a ajudar as mais de 21 milhões de pessoas nestes quatro países, mulheres e crianças em sua maioria. O restante dos fundos destina-se para o setor de saúde de outras agências da ONU.

De acordo com o Dr. Bruce Aylward, chefe de operações de emergência da OMS, o mundo está enfrentando "um número sem precedentes de emergências humanitárias".

Mais da metade dos fundos solicitados são para a Síria, ou 687 milhões de dólares, dos quais US$ 157 milhões para a OMS.

Segundo a organização, 12,2 milhões de pessoas precisam de ajuda médica neste país devastado por mais de três anos de guerra civil.

De acordo coma Dra. Elizabeth Hoff, Representante da OMS na Síria, doenças como a hepatite A e febre tifoide estão em ascensão no país por causa da falta de água potável.

Além disso, 218,7 milhões de dólares são destinados para o Iraque, incluindo 134 milhões para a OMS.

Cerca de 5,2 milhões de pessoas necessitam de ajuda humanitária no Iraque, que abriga mais de 235.000 refugiados sírios.

No ano passado, um apelo por fundos no valor de 314 milhões de dólares foi lançado para o Iraque, mas apenas 90 milhões de dólares foram doados pela comunidade internacional.

Para o Sudão do Sul, devastado por uma crise interna há um ano, o pedido de fundos é de US$ 90 milhões, dos quais 16,7 milhões para a OMS.

Neste país, 3,35 milhões de pessoas necessitam assistência humanitária.

Finalmente, na República Centro-Africana, o pedido é estimado em 48 milhões dólares para ajudar 1,47 milhão de pessoas.