OMS pede R$ 13 bilhões para emergências de saúde em 2023

A Organização Mundial da Saúde (OMS) reivindicou, nesta segunda-feira, US$ 2,54 bilhões (o equivalente a R$ 13,16 bilhões) para ajudar milhões de pessoas que enfrentam emergências de saúde em todo o mundo em 2023. O número de pessoas que precisam de ajuda humanitária aumentou quase um quarto em relação a 2022, para um recorde de 339 milhões.

Fim do cotonete no nariz? Estudo da USP mostra que Covid-19 pode ser detectada pelas lágrimas

Gordura trans: cinco bilhões de pessoas ainda consomem a substância, apesar da meta de eliminação até 2023, alerta OMS

A agência de saúde da ONU afirmou que responde, atualmente, a um número sem precedentes de emergências de saúde, como desastres relacionados à mudança climática, inundações no Paquistão e insegurança alimentar em todo o Sahel e no grande Chifre da África; a guerra na Ucrânia; e o impacto na saúde do conflito no Iêmen, Afeganistão, Síria e norte da Etiópia.

Todas essas emergências são agravadas às interrupções do sistema de saúde causadas pela pandemia de Covid-19 nos sistemas de saúde no mundo todo, assim como por epidemias mortais, como a do cólera e do sarampo.

— Estamos testemunhando uma convergência sem precedentes de crises, que exige uma resposta sem precedentes — disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

— O mundo não pode olhar para o outro lado e esperar que essas crises se resolvam sozinhas — enfatizou.