OMS registra queda de 21% em infecções de monkeypox no mundo; Brasil tem 4.144 casos

llustração de testes de varíola dos macacos

(Reuters) - O número de casos novos de monkeypox registrados globalmente diminuiu 21% na semana passada, após uma tendência de alta que durou um mês, anunciou a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quinta-feira.

A OMS declarou o surto da doença, também conhecida como varíola dos macacos, uma emergência de saúde global em julho. Até agora, mais de 41 mil casos e 12 mortes por varíola dos macacos foram relatados em 96 países, com a maioria dos casos nos Estados Unidos.

No Brasil, o número de casos confirmados até a noite de quarta-feira era de 4.144, enquanto o número de casos suspeitos era de 4.653, segundo dados do Ministério da Saúde. O país registrou um óbito relacionado à doença.

A queda no número global de casos pode ser um sinal de que o surto está em queda na Europa, de acordo com o relatório epidemiológico da OMS.

"Há sinais de que o surto está diminuindo na Europa, onde uma combinação de medidas eficazes de saúde pública, mudança de comportamento e vacinação está ajudando a prevenir a transmissão", disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em entrevista coletiva.

Ainda assim, mais de uma dúzia de países viram um aumento no número de casos semanais, com o maior crescimento relatado nos Estados Unidos. Mais de 34% da atual contagem global de casos está nos Estados Unidos.

A OMS disse que as infecções nas Américas mostraram "um aumento contínuo e acentuado" na semana anterior, e a região representou cerca de 60% dos casos no último mês.

"Na América Latina em particular, a conscientização insuficiente e falta de medidas de saúde pública estão se somando com uma falta de acesso às vacinas para combater as chamas do surto", disse Tedros.

Com a baixa oferta de vacinas, muitos países, entre eles os Estados Unidos, estão tentando fazer com que seus estoques sejam aproveitados ao máximo com a aplicação de doses menores.

(Reportagem de Mrinalika Roy, em Bengaluru)