'Onda bolsonarista tende a virar marolinha', diz Chico Alencar, eleito vereador no Rio

CRISTINA CAMARGO
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Quinto mais votado para a Câmara Municipal do Rio, o ex-deputado federal Chico Alencar comemorou a vitória na madrugada desta segunda-feira (16) e também a formação de uma bancada com sete representantes de seu partido, o PSOL. "Todos os votos, de todos os 45 candidatos do PSOL, contribuíram para eleger essa forte bancada", disse. Alencar foi eleito com 49.422. Entre os eleitos para a bancada do PSOL está a arquiteta Monica Benício, viúva de Marielle Franco, que era vereadora quando foi assassinada na região central do Rio. O vereador eleito também comemorou o fato de Tarcisio Motta (PSOL), o mais votado para a Câmara do Rio, ter superado o também reeleito Carlos Bolsonaro (Republicanos), filho do presidente Jair Bolsonaro. Motta foi eleito com 86.243 votos e Carlos Bolsonaro com 71 mil. "Ele bateu o 02, que se gabava e pretendia campeão", disse Alencar no Twitter. "A ex-mulher do Capitão Corona não se elegeu. Parece que a onda bolsonarista que devastou o Brasil em 2018 tende a virar uma 'marolinha'. A extrema direita começa a ruir". A mulher citada é Rogéria Bolsonaro, que recebeu 2.034 votos e será suplente do Republicanos. Além de Chico Alencar, outro veterano eleito para a Câmara do Rio é o ex-prefeito César Maia (DEM). O pai do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), foi o quarto mais votado com 55.031 votos.