Onda de Covid-19 surge na Europa com campanha por dose de reforço em início lento

Imagem de arquivo: pessoas em metrô em Barcelona, na Espanha, durante onda de Covid-19 em janeiro de 2022. REUTERS/Nacho Doce/Arquivo

Por Ludwig Burger e Natalie Grover

(Reuters) - Uma nova onda da Covid-19 parece estar se formando na Europa com a chegada do clima mais frio, com especialistas em saúde pública alertando que a fadiga da vacina e a confusão sobre os tipos de imunizantes disponíveis devem limitar a captação da dose de reforço.

As subvariantes Ômicron BA.4/5 que dominaram este verão ainda estão por trás da maioria das infecções, mas as subvariantes Ômicron mais recentes estão ganhando terreno. Centenas de novas formas de Ômicron estão sendo rastreadas por cientistas, disseram funcionários da Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta semana.

Dados da OMS divulgados na quarta-feira mostraram que os casos na União Europeia (UE) atingiram 1,5 milhão na semana passada, um aumento de 8% em relação à semana anterior, apesar de uma queda dramática nos testes. Globalmente, os números de casos continuam a diminuir.

O número de hospitalizações em muitos países do bloco de 27 Estados membros, bem como no Reino Unido, aumentou nas últimas semanas.

As vacinas adaptadas para a variante Ômicron foram lançadas na Europa a partir de setembro, com dois tipos de doses abordando as subvariantes BA.1 e BA.4/5 disponibilizadas juntamente com as vacinas de primeira geração existentes. No Reino Unido, apenas os imunizantes sob medida BA.1 foram autorizados.

Autoridades europeias e britânicas endossaram que as doses de reforço mais recentes sejam distribuídas apenas para um grupo seleto de pessoas, incluindo idosos e pessoas com sistema imunológico comprometido. Para complicar ainda mais as coisas, está a "escolha" da vacina como reforço, o que deve aumentar a confusão, disseram especialistas em saúde pública.

Desde 5 de setembro, quando começou o lançamento de novas vacinas na União Européia, cerca de 40 milhões de doses de vacinas produzidas pela Pfizer-BioNTech e Moderna foram entregues aos Estados membros, de acordo com dados do Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC).

No entanto, as doses semanais de vacina administradas na UE foram apenas entre 1 milhão e 1,4 milhão em setembro, em comparação com 6 a 10 milhões por semana durante o período do ano anterior, mostraram dados do ECDC.

(Reportagem de Ludwig Burger em Frankfurt, Natalie Grover e Jennifer Rigby em Londres, Emilio Parodi em Milão)