'Onde ele estiver, está muito feliz', diz neto de Monarco sobre homenagens da Portela ao compositor

·1 min de leitura

RIO — Segunda escola a desfilar na Sapucaí neste sábado, a Portela vai render homenagens a Monarco, baluarte morto no ano passado, de ponta a ponta. As vestimentas usadas por membros da diretoria e pela equipe de Harmonia, presentes em todas as alas, trazem o rosto do cantor e compositor estampado nas costas. E, para fechar a série de tributos, a agremiação trará uma alegoria com o busto de Monarco ao fim do desfile, com menção a outros grandes nomes da história agremiação, como Paulo da Portela, Natal, Chico Santana e Osmar do Cavaco.

Parentes e amigos dessas personalidades desfilarão no carro ou ao redor dele. Entre eles está Marcos Diniz Júnior, de 36 anos, neto de Monarco e filho do cantor Marcos Diniz (Trio Calafrio). Ele se diz emocionado com as homenagens ao avô.

— Esse desfile para a gente está sendo triste mas alegre ao mesmo tempo, porque a Portela está fazendo essa homenagem ao meu avô. E tenho certeza de que, onde ele estiver, ele está muito feliz com essas homenagens. Estamos homenageando, inclusive, Seu Natal, Chico Santana e outros grandes nomes da Portela — diz ele.

Baluarte mais antigo da Portela e um dos maiores nomes da história do samba, Monarco morreu aos 88 anos em dezembro passado. Desde novembro, o sambista estava internado no Hospital Federal Cardoso Fontes, onde passou por uma cirurgia no intestino e não resistiu às complicações.

Ele compôs alguns dos sambas clássicos que exaltam a escola, como "Passado de glória", um dos "esquentas" obrigatórios da Portela antes de entrar na Avenida. Seu filho Marcos Diniz também desfilará esta noite, na Ala dos Compositores.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos