Onde Suzane von Richtofen vai morar agora que saiu da prisão?

Criminosa foi beneficiada com progressão para regime aberto

Suzane von Richtofen deixou penitenciária de Tremembé - Foto: Reprodução/TV Vanguarda
Suzane von Richtofen deixou penitenciária de Tremembé - Foto: Reprodução/TV Vanguarda

Após ser beneficiada com a progressão para regime aberto, Suzane von Richtofen vai morar em um sítio localizado na cidade de Angatuba, no interior de São Paulo.

De acordo com informações do portal g1, a mulher, condenada por matar os próprios pais em 2002, já avisou a Justiça sobre sua nova moradia.

Suzane foi presa ainda em 2002 e acabou transferida para Tremembé em 2007. Desde então, cumpria pena na Penitenciária Feminina I Santa Maria Eufrásia Pelletier.

Dos 34 anos previstos na condenação, a criminosa já cumpriu pouco mais de 20. Na semana passada, a Justiça lhe concedeu progressão para regime aberto, o que permitiu que ela deixasse a cadeia.

Liberada pela Justiça

Suzane teve liberação para mudar de cidade da Justiça, que, agora, vai determinar quando ela deverá prestar contas. Se cumprir as exigências da liberdade condicional, ela poderá manter o benefício no município onde vive.

Nova cidade da mulher, Angatuba é onde reside o ex-noivo dela, Rogério Olberg. O casal manteve relacionamento de 2017 a 2020, mas não chegou a casar.

Ainda segundo informações do portal g1, Suzane vai viver em um sítio na zona rural de Angatuba, a cerca de 15 minutos do centro. Caso deseje mudar de casa, ela deverá informar a Justiça.

Por que Suzane saiu mais cedo?

De acordo com o advogado Evandro Carlos Alves, a progressão de regime na execução da pena é prevista no artigo 112 da Lei 7.210/1984 (Lei de Execução Penal). Ela é executada progressivamente, com a transferência do regime fechado para um menos rigoroso.

— Assim, essa Lei previa que o preso tinha o direito de progressão de regime quando tivesse cumprido ao menos um sexto da pena — explicou Alves.

Com a Lei 8.072/90 (Lei de Crimes Hediondos) foram introduzidas novas regras para a progressão de pena em relação aos crimes hediondos, como os de Suzane