ONGs de defesa dos uigures e tibetanos pedem renúncia de Bachelet

Associações de defesa dos direitos das minorias uigures, tibetanas ou de cidadãos de Hong Kong pediram nesta quarta-feira (8) a "renúncia imediata" da alta comissária para os direitos humanos Michelle Bachelet, a quem acusam de limpar a imagem do governo chinês.

Durante sua recente visita à China, a alta comissária "fracassou lamentavelmente em colocar o governo chinês diante de suas responsabilidades" pelas "violações sistemáticas dos direitos humanos", segundo os signatários.

Este apelo do Congresso Mundial de Uigures foi assinado por várias dezenas de filiais locais e nacionais de associações para a defesa das minorias uigures, tibetanas e mongólias.

"Esta visita fracassada não só agravou a crise dos direitos humanos para aqueles que vivem sob o jugo do governo chinês, mas também compromete seriamente a credibilidade" da alta comissária, concluem os signatários.

Michelle Bachelet foi criticada pela Anistia Internacional e pela Human Rights Watch (HRW) e até pelos Estados Unidos, que a repreenderam por não ter denunciado a situação dos direitos humanos durante sua visita à China.

De acordo com organizações de direitos humanos, pelo menos um milhão de uigures e membros de outras minorias de língua turca, principalmente muçulmanos, estão ou foram presos em campos em Xinjiang.

A HRW não assinou a carta e disse que a organização não costuma pedir renúncias. No entanto, "compartilhamos a frustração e a preocupação dos signatários" após a visita de Bachelet à China, disse a HRW à AFP.

str/vog/thm/eg/mb/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos