Onix hatch estreia hoje com preços a partir de R$ 51.590

Jason Vogel

Primeiro, foi o sedã Onix Plus. Lançado no fim de setembro, o novo modelo da Chevrolet tornou-se um sucesso imediato de vendas até que sua imagem foi chamuscada por casos de incêndio que se alastraram pela internet e por grupos de WhatsApp. A General Motors, contudo, foi ágil em achar o problema e providenciar uma solução. Suspendeu as vendas do sedã por alguns dias e promoveu um recall de 19.050 unidades para modificar o mapeamento eletrônico, evitando a pré-ignição e a consequente quebra dos componentes internos do motor (que gerava os tais incêndios).

A “gestão de crise” foi tão rápida que o cronograma de lançamento da versão hatch nem atrasou tanto. O novo dois volumes está sendo lançado hoje com preços entre R$ 51.590 e R$ 73 mil (enquanto o sedã Plus custa a partir de R$ 55 mil).

As maiores diferenças estão, é claro, no tamanho. O novo Onix hatch mede 4,16m de comprimento e tem 2,55m de entre-eixos. Ou seja: de ponta a ponta, o hatch é 31cm mais curto do que o sedã e seu entre-eixos é 5cm menor. A maior alteração é sentida no porta malas — pela medição oficial, são 275 litros, contra 469 litros do Onix Plus.

Por outro lado, o novo Onix hatch é maior do que sua geração anterior (que continua em linha e hoje é vendida com o nome Joy): são 23cm extras no comprimento e 2,3cm a mais de entre-eixos. Como também é 3cm mais largo, o novo Onix tem mais espaço interno que o Joy. Curiosamente, o porta-malas encolheu — ficou 5 litros menor que o do antecessor...

3 = 6

Na mecânica, tudo igual ao sedã Onix Plus: as versões básicas saem com o motor de três cilindros 1.0 aspirado (e 82cv) e câmbio manual de seis marchas, enquanto as outras configurações trazem o ótimo três cilindros 1.0 turbo, de 116cv, com a opção da caixa automática de seis velocidades.

Mesmo simplificado em relação ao projeto Opel original (perdeu a injeção direta, por exemplo), esse motor é — disparado — o melhor três cilindros 1.0 turbo do Brasil.

A versão brasileira perdeu o eixo contrarrotante que existe no alemão Opel. Apesar disso, o motor é silencioso e pouco vibra. Girador, está sempre trabalhando ali por volta de 2.000rpm. Mostra força o tempo todo.

Quando o motorista chama no pé direito, o giro cresce num instante. Parece um motor muito maior do que é. A resposta de acelerador é imediata — é raro ver um acerto de pedal/borboleta tão esportivo num “carro normal”.

Segundo a GM, a aceleração de 0 a 100km/h é feita pelo hatch em 10,1s (tanto com câmbio manual quanto com o automático que, infelizmente, não tem aletas atrás do volante para trocas de marchas).

Essa fome de asfalto não compromete o consumo. Ainda de acordo com os números da GM, o Onix hatch faz 13,9km/l de gasolina na cidade e 16,7km/l na estrada — marcas que vamos conferir mais adiante, quando o carro chegar para testes.

De resto, o hatch traz equipamentos de segurança como seis airbags de série em todas as versões e controle eletrônico de estabilidade, além de estrutura bem mais moderna que a do antecessor (o carro recebeu cinco estrelas no teste da Latin NCAP). A versão topo de linha pode trazer até conexão wi-fi 4G.