ONS vê alta na carga de energia em junho e chuvas fracas em hidrelétricas

·2 minuto de leitura
Central elétrica de alta tensão próximo de Brasília, Brasil.

SÃO PAULO (Reuters) -A carga de energia do Brasil deverá seguir em junho com vigorosa recuperação na comparação anual, mesmo com a continuidade da pandemia, projetou o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) nesta sexta-feira, enquanto as chuvas na área das hidrelétricas devem manter níveis fracos vistos nos últimos meses.

As precipitações nas usinas hídricas foram estimadas pelo ONS em 63% da média histórica para o Sudeste/Centro-Oeste, que concentra os maiores reservatórios, e em apenas 38% no Nordeste, segunda região em armazenamento.

As perspectivas negativas vêm um dia após o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) ter afirmado que prevê a manutenção das condições secas nos próximos meses, especialmente no Sudeste e no Centro-Oeste.

Liderado pelo Ministério de Minas e Energia, o CMSE recomendou à Agência Nacional de Águas (ANA) que seja reconhecida a situação de "escassez hídrica" na bacia do Paraná devido à falta de chuvas.

Antes, o governo já havia destacado que o período de setembro a maio registrou as piores precipitações na região das hidrelétricas do país em 91 anos de histórico.

Diante do cenário, o CMSE destacou a importância de flexibilização em algumas restrições à operação de hidrelétricas, o que precisa ser discutido com órgãos como a ANA e o Ibama.

A decisão do CMSE será encaminhada ao Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), no qual têm assento diversos ministros, incluindo o do Meio Ambiente.

O governo do presidente Jair Bolsonaro também criou em meados deste mês uma "sala de situação" para acompanhar a crise hídrica no setor de energia, um grupo que inclui representantes de diversas pastas, além de membros da ANA e do Ibama.

A situação de seca, que pressiona o sistema de geração do Brasil, fortemente dependente das hidrelétricas, ainda ocorre em momento de acentuada recuperação da demanda após impactos iniciais da pandemia.

A carga de energia do sistema interligado do Brasil deve avançar em junho 6,6% frente ao mesmo período de 2020, quando as atividades eram mais afetadas por medidas de isolamento social para evitar a disseminação do coronavírus.

(Por Luciano Costa; edição de Roberto Samora e Maria Pia Palermo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos