Kremlin não admite que Putin seja citado em relação a caso Skripal

Moscou, 16 mar (EFE).- O Kremlin qualificou de "imperdoável" do ponto de vista diplomático o fato de o presidente Vladimir Putin ser mencionado em relação ao caso do envenenamento do ex-espião russo Sergei Skripal e sua filha no Reino Unido, do qual a Rússia é acusada.

"Dissemos em diferentes níveis e em diferentes situações que a Rússia não tem nada a ver com essa história. Qualquer menção ao nosso presidente (em relação a isso) é um procedimento chocante e imperdoável", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.

Peskov qualificou como "um despropósito diplomático" qualquer insinuação neste sentido e indicou que Moscou responderá à expulsão de 23 diplomatas russos do Reino Unido em breve.

"Pode acontecer a qualquer momento", insistiu o porta-voz, que ressaltou que os próximos passos serão "muito bem pensados".

Peskov indicou que a atual piora nas relações da Rússia com o Reino Unido e outros países ocidentais não pode ser avaliada como uma nova Guerra Fria.

"Dificilmente estas expressões apocalípticas podem ser utilizadas neste assunto", disse o porta-voz.

Skripal e sua filha foram encontrados inconscientes no último dia 4 de março perto de um shopping de Salisbury, no sul da Inglaterra, e ainda estão hospitalizados em estado crítico.

Os investigadores britânicos afirmam que ambos foram envenenados com um agente nervoso militar de fabricação russa, por isso Moscou - que nega todas as acusações - exige que Londres proporcione uma amostra desse material. EFE