ONU anuncia redução da ajuda alimentar ao Iêmen por falta de recursos

·1 min de leitura
Quase 80% dos 30 milhões de habitantes do Iêmen dependem da ajuda internacional (AFP/AHMAD AL-BASHA)

A ONU afirmou nesta quarta-feira (22) que se vê "obrigada" a reduzir a ajuda alimentar ao Iêmen por falta de recursos, ao mesmo tempo que advertiu para o aumento da fome neste país em guerra e arrasado por uma das piores crises humanitárias do mundo.

O país, o mais pobre da península arábica, está devastado por um conflito que já completou sete anos entre o governo apoiado pela Arábia Saudita e os rebeldes huthis, apoiados pelo Irã.

"O Programa Mundial de Alimentos (PMA) está obrigado a reduzir a ajuda humanitária para o Iêmen", anunciou a agência da ONU, que fez um alerta sobre as consequências da medida, no momento em que a fome aumenta no país.

O PMA não tem os fundos necessários para entregar ajuda a 13 milhões de pessoas no Iêmen, explicou a agência, antes de destacar que "a partir de janeiro oito milhões de pessoas receberão uma ração alimentar reduzida e cinco milhões que correm o risco de fome continuarão recebendo uma ração completa".

Quase 80% dos 30 milhões de habitantes do Iêmen dependem da ajuda internacional.

O programa de alimentos da ONU explicou que com os cortes "as famílias receberão apenas metade da ração mínima diária" e expressou o temor de que "em breve reduções ainda mais severas sejam inevitáveis".

"Algumas pessoas poderiam ser totalmente excluídas dos programas de ajuda alimentar", lamentou.

bur-aem/bfi/mar-an/mar/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos