ONU diz que Bolsonaro deveria ser punido por usar crianças fardadas em eventos

·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  15-09-2021, 12h00: O presidente Jair Bolsonaro, acompanhado do vice presidente Hamilton Mourão, participa de cerimônia de anúncio de avanços no programa Casa Verde Amarela, de habitação popular. No palácio do planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 15-09-2021, 12h00: O presidente Jair Bolsonaro, acompanhado do vice presidente Hamilton Mourão, participa de cerimônia de anúncio de avanços no programa Casa Verde Amarela, de habitação popular. No palácio do planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Usar uma criança fardada carregando uma réplica de um fuzil em um evento político, como fez na última semana o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (sem partido), deveria ser um crime e os envolvidos, punidos, para o Comitê de Direitos das Crianças da ONU (Organização das Nações Unidas).

Na última quinta-feira (30), em evento em Belo Horizonte com a presença do governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), Bolsonaro recebeu no palco uma criança de seis anos que empunhava uma arma de brinquedo. O presidente simulou que atirava para cima e carregou a criança sobre os ombros.

Após a repercussão do evento, 80 entidades de direitos humanos recorreram à ONU no domingo (3) argumentando que o presidente "utiliza de crianças para estimular a política de armamento brasileiro".

Em resposta a jornalistas, o Comitê de Direito das Crianças da ONU afirmou que "tais práticas devem ser proibidas e criminalizadas, e aqueles que envolvem crianças em hostilidades devem ser investigados, processados e sancionados".

O órgão afirmou ainda que "condena nos termos mais veementes o uso de crianças pelo presidente Bolsonaro, vestidas de militar e segurando o que parece ser uma arma de fogo, para promover sua agenda política".

A entidade lembra também que o Brasil é signatário da Convenção sobre os Direitos da Criança e tem a obrigação, nas palavras do comitê, de garantir que "crianças não participem de hostilidades ou de quaisquer atividades relacionadas a conflitos".

Por fim, o comitê pede que as imagens da criança não sejam mais reproduzidas.

Não foi a primeira vez que Bolsonaro se envolveu em episódios controversos com crianças. Em junho, o presidente retirou a máscara de um menino no Rio Grande do Norte e pediu que outra criança também removesse a proteção, em meio à pandemia da Covid-19, para posar para fotos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos