Lavrov acredita que EUA não irão interferir nas eleições presidencias russas

Moscou, 11 ago (EFE).- O ministro de Relações Exteriores russo, Sergey Lavrov, disse nesta sexta-feira que acredita que os Estados Unidos não irão interferir nas eleições presidenciais russas, que serão realizadas em março de 2018 e nas quais o chefe do Kremlin, Vladimir Putin, pode tentar a reeleição.

"Espero que a gravidade desse assunto faça o poder estabelecido nos Estados Unidos pensar duas vezes", disse Lavrov aos meios de comunicação locais.

Lavrov destacou que, apesar das "acusações infundadas" contra a Rússia, nos EUA não foi apresentada "uma só prova" sobre a suposta ingerência russa nas eleições presidenciais norte-americanas de novembro de 2016.

O ministro russo advertiu que caso os funcionários americanos decidam intervir nas eleições russas, Moscou recorrerá à Convenção de Viena sobre relações diplomáticas e à legislação nacional para impedir.

Lavrov lembrou que há numerosos casos em países da Europa Central e Oriental nos quais a embaixada americana interfere no processo político, inclusive guiando a oposição.

O chefe da diplomacia russa disse que o pessoal local da embaixada só pode realizar atividades técnicas e não pode exercer funções políticas ou diplomáticas.

Também denunciou que, no caso da Rússia, alguns empregados russos dessa legação diplomática realizaram pesquisas nas regiões para conhecer a opinião de seus habitantes sobre o governador de turno ou inclusive o governo central.

"Em tais situações nós pedimos a nossos colegas americanos que rompam toda relação contratual com essa gente. Em todo caso, acredito que eles não considerem isso ingerência, já que, para começar, eles podem se permitir tudo", disse.

Recentemente o ex-embaixador russo nos EUA Sergey Kislyak admitiu contatos com os assessores do presidente norte-americano, Donald Trump, antes de sua posse, mas negou uma trama russa para permitir a vitória do candidato republicano nas eleições nos EUA. EFE