ONU renova missão na República Centro-Africana sem apoio de Rússia e China

·2 min de leitura
(Arquivo) Visão geral do plenário do Conselho de Segurança da ONU durante reunião realizada em 23 de setembro de 2021 (AFP/John Minchillo)

O Conselho de Segurança da ONU adotou nesta sexta-feira (12) a resolução que renova por um ano a missão de paz da organização na República Centro-Africana (Minusca).

A resolução foi aprovada por 13 dos 15 integrantes do Conselho, já que Rússia e China se abstiveram por não terem ficado satisfeitos com a redação do texto feita pela França.

A Minusca, uma das maiores missões da ONU, continuará suas operações com um máximo de 14.400 soldados e 2.420 policiais, segundo o texto. Além disso, o reforço nas tropas decidido há quase um ano para as eleições foi confirmado por mais 12 meses.

Os Estados Unidos lamentaram, através de seu embaixador Richard Mills, o fato de o texto não mencionar as acusações de violações aos direitos humanos formuladas pela ONU contra o grupo Wagner, uma empresa militar privada da Rússia que conta com o apoio de Moscou e que enviou efetivos ao país a pedido das autoridades centro-africanas.

Também criticou o fato de a resolução não ter mencionado o ataque de 1º de novembro contra um ônibus das forças de paz egípcias, que deixou 10 feridos, por parte da guarda do presidente Faustin-Archange Touadéra.

A guarda justificou os disparos afirmando que os soldados egípcios haviam feito fotos da residência do chefe de Estado, o que é proibido, e se negaram a deter seu veículo. A ONU pediu uma investigação dos fatos.

A embaixadora adjunta da Rússia na ONU, Anna Evstigneeva, explicou que seu país se absteve da votação devido aos "escândalos" que afetaram a Minusca, desde "violência sexual" até "contrabando de recursos naturais", do qual recentemente foram acusados soldados portugueses.

"Não podemos dizer que o trabalho realizado [pela Minusca] é profissional e competente", disse a diplomata russa, que também rechaçou as críticas dos EUA, que classificou de "acusações espúrias e infundadas" contra os "instrutores" russos enviados à República Centro-Africana que, segundo ela, fazem um trabalho fundamental para a estabilidade do país.

A China, por sua vez, justificou sua abstenção pela ausência no texto de uma referência à necessidade de que os líderes do país africano sejam respeitados.

prh/seb/yow/lda/rpr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos