Opas destaca situação 'especialmente grave' no Haiti e pede ajuda

·2 minuto de leitura
Haitianos tentam se proteger dos efeitos da tempestade Grace após passarem a noite ao relento depois de um forte terremoto em Les Cayes, Haiti, 17 de agosto de 2021

A Opas, escritório da Organização Mundial da Saúde (OMS) nas Américas, alertou nesta quarta-feira (18) para situação "especialmente grave" que o Haiti atravessa e pediu ajuda à comunidade internacional.

O país mais pobre da região foi sacudido no fim de semana por um terremoto de magnitude 7,2, que deixou pelo menos 1.941 mortos e mais de 9.900 feridos. A tempestade tropical Grace provocou em seguida chuvas torrenciais, com alertas de inundações e deslizamentos de terra. Há previsão de novos temporais.

Isto se soma ao forte impacto da covid-19 no país do Caribe, um dos últimos no mundo a iniciar sua campanha de vacinação, e ainda em choque pelo assassinato do presidente Jovenel Moise em 7 de julho.

"A situação no Haiti é especialmente grave", disse em coletiva de imprensa a diretora da Organização Pan-americana da Saúde (Opas), Carissa Etienne.

"As sequelas do terremoto, combinadas com a pandemia de covid-19, apresentam uma situação muito desafiadora", acrescentou, destacando a ameaça adicional da temporada de furacões.

Etienne disse que o país precisa de água potável, comida e produtos de higiene básicos a medicamentos, equipamentos de saúde, insumos e pessoal médico, bem como apoio logístico.

"As necessidades são imensas no Haiti neste momento", disse. "Temos vítimas presas e hospitais lotados".

A infraestrutura de saúde no país foi atingida pelo terremoto; no total, 24 centros sofreram danos, muitos no primeiro nível de atendimento, segundo a Opas.

"Há uma necessidade urgente de restabelecer os serviços de saúde, principalmente nas áreas mais afetadas, e de garantir água e saneamento adequados para prevenir o aumento das doenças diarreicas, respiratórias e cutâneas", enfatizou Etienne.

"Certamente esperamos que a comunidade internacional possa se unir para ajudar e dar o apoio logístico aéreo e terrestre que se requer com urgência para evacuar os pacientes e transportar provisões humanitárias essenciais. E isto é necessário agora", enfatizou.

Etienne disse que a Opas continuará apoiando a luta contra a covid-19 no Haiti, inclusive a vacinação em curso que, como no restante do Caribe, enfrenta uma "resistência significativa" da população.

O Haiti recebeu em 14 de julho 500.000 doses de vacinas anticovid doadas pelos Estados Unidos através do mecanismo global Covax.

O vice-diretor da Opas, Jarbas Barbosa, disse nesta quarta que até agora foram aplicadas cerca de 21.000 doses.

"Estamos trabalhando com o ministério da Saúde para agilizar o processo de vacinação apesar de todos os desafios que o Haiti enfrenta", assegurou.

ad/lda/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos