Opção de Bolsonaro por Datena era 'interesseira', diz Janaína Paschoal

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Mesmo sem apoio de Jair Bolsonaro, Janaína Paschoal pretende se candidatar ao Senado (Foto: ANDRESSA ANHOLETE/AFP via Getty Images)
Mesmo sem apoio de Jair Bolsonaro, Janaína Paschoal pretende se candidatar ao Senado (Foto: ANDRESSA ANHOLETE/AFP via Getty Images)

Resumo da notícia

  • Janaína Paschoal avaliou que interesse de Bolsonaro e Tarcísio por Datena era meramente eleitoreiro

  • Deputada estadual criticou também articulação de ter Kassab como vice de Datena

  • Janaína garantiu que será candidata ao Senado, mesmo sem apoio de Bolsonaro

Janaína Paschoal (PRTB-SP), pré-candidata ao Senado por São Paulo, declarou que a ideia de Jair Bolsonaro (PL) e de Tarcísio de Freitas (Republicanos) de ter o apresentador José Luiz Datena como candidato ao Senado era uma “visão interesseira”.

Ao Uol News, a deputada estadual, eleita na esteira do bolsonarismo em 2018, afirmou ter ficado decepcionada com essa movimentação e declarou que a chapa do pré-candidato Tarcísio de Freitas não pensou no melhor para o estado de São Paulo. Datena, no entanto, já anunciou que não irá se candidatar e seguirá como apresentador da TV Bandeirantes.

Janaína garantiu, no entanto, que o incômodo não foi por ter sido preterida pela chapa, mas por entender que a candidatura de Datena teria sido ventilada apenas por questões eleitoreiras.

“Gosto do Datena, conversei muito com ele”, disse. “O que me incomodou nesse processo todo, seja por parte do presidente ou do Tarcísio, foi uma visão interesseira, porque não era que eles achavam Datena o melhor quadro para ser nosso senador, eles viam no Datena alguém que iriam leva-los a um eleitorado que eles não acessam.”

“Então, não é uma visão do que é melhor para São Paulo ou melhor para o país, é uma visão interesseira”, declarou ao Uol News.

A deputada estadual ressaltou ainda o incômodo com a articulação para que Gilberto Kassab, presidente do PSD, fosse suplente de Datena. Para Janaína, a movimentação seria “fraudulenta”.

“O que mais me incomodou foi quando o Tarcísio começou a articular para colocar o Kassab como suplente do Datena, no comportamento que considero próximo do fraudulento, porque a população ia votar no Datena, mas na verdade estava elegendo o Kassab, porque o Datena é uma estrela, o dia a dia na polícia é muito desgastante, as pessoas não têm ideia, ser muito atacado, xingado, ele não aguentaria, ia ser eleito, ficar seis meses, para depois o Kassab ser senador”, opinou.

Sem Datena, a chapa de Tarcísio estuda ter Carla Zambelli (PL-SP) como candidata ao posto. Janaína Paschoal garantiu que é pré-candidata ao Senado independentemente da opinião do presidente Jair Bolsonaro sobre o assunto. “Se não acontecer quebra de palavra por parte do PRTB, quero ir até o final, venham quem vier.”

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos